Metro do Porto vai lidar com fraude de bilhetes sem identificar infratores

Hitachi desenvolveu inovação no sector dos transportes para estações sem barreiras. Sistema será alargado em 2020.

A Hitachi Consulting foi a empresa escolhida para testar um sistema inovador no Metro do Porto: detetar as pessoas que não validaram bilhete em estações onde não existem barreiras físicas. A solução vai ser testada entre setembro e meados de outubro na estação Casa da Música e será utilizada nas 14 estações subterrâneas da transportadora em meados de 2020.

A deteção dos passageiros será feita com sensores Lidar, colocados no teto da estação. “Conseguimos saber se as pessoas validaram ou não o bilhete e mesmo se fizeram mal a validação”, explica Jorge Antunes, diretor de desenvolvimento de negócio da Hitachi Consulting para as regiões da Europa, Médio Oriente e África.

Esta tecnologia consegue detetar os problemas de validação mesmo sem identificar os utentes infratores, por questões de privacidade. O sensor regista o volume corporal dos passageiros a partir de uma zona estimada.

A cada pessoa corresponde um determinado número de pontos. Cada sensor estará equipado com um processador para conseguir “separar a mãe que vai com o filho ou a pessoa que está na cadeira de rodas”.

O sistema também terá de encontrar os jovens até aos 15 anos, que terão transporte público gratuito no concelho do Porto já a partir de setembro.

Sempre que for detetado um problema, será mostrada uma imagem na parede da estação e será emitido um aviso sonoro. Mas a empresa japonesa garante que o alerta “será muito suave e pela positiva. Servirá mais para educar as pessoas porque muitas vezes não validam por esquecimento”.

Apesar da pedagogia, o Metro do Porto também vai apostar nesta solução para conseguir detetar mais pessoas que não validam bilhete. A empresa apenas consegue “controlar 5% dos passageiros transportados”.

A partir de setembro, sempre que o sistema detetar que há muitos bilhetes por validar, “a equipa de fiscalização será enviada para a zona” em que os problemas forem detetados. O objetivo é aumentar a taxa de autos emitidos por fiscalização, de apenas 1,5%, escreveu em maio o JN.

Só na estação Casa da Música serão instalados oito sensores Lidar. As informações serão armazenadas através do sistema de cloud Azure, graças a uma parceria entre a Hitachi e a Microsoft. Uma equipa da empresa japonesa em Lisboa irá analisar os dados recolhidos.

O sistema testado na estação Casa da Música “nunca foi utilizado num sistema de metropolitano”. Habitualmente, estes sensores são utilizados, por exemplo, para avaliar o fluxo de pessoas que frequenta uma praça ou então para avaliar o comportamento dos clientes dentro de lojas ou supermercados.

Além do desafio da novidade, a Hitachi teve de superar o obstáculo do tempo. “Soubemos deste concurso menos de 48 horas antes do fim do prazo da entrega das propostas.” Mesmo com uma “direta” acabou por ganhar a mais de uma dezena de candidatos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de