Metro ligeiro Loures-Odivelas terá material semelhante ao do Metro do Porto

Ligação de superfície na periferia de Lisboa terá extensão de 12 quilómetros. Tempo de percurso entre Infantado e Odivelas será de 20 minutos. Serão comprados 12 comboios.

A partir de 2026, o Metropolitano de Lisboa vai operar uma linha à superfície pela primeira vez na sua história. A ligação entre Loures e Odivelas será percorrida em 20 minutos e dará, através da estação de Odivelas, acesso à rede de metropolitano do concelho de Lisboa.

Em entrevista ao Dinheiro Vivo e à TSF, o presidente da transportadora, Vitor Domingues dos Santos, fala ainda da ambição da empresa em ligar as estações de Telheiras à Pontinha.

Também há uma proposta para o metro ligeiro de superfície entre Loures e Odivelas, no valor de 250 milhões de euros. Quem vai operar esta linha?

Em princípio, será o Metro de Lisboa. É isso que está nas bases de concessão e no diploma aprovado em Conselho de Ministros.

Que material circulante poderá ser utilizado e qual a ligação com a restante rede do metro?

A solução que preconizamos é a primeira implementação de um anel circular que faça um arco de transportes públicos à volta de Lisboa e que conjugue os municípios de Oeiras, Amadora, Odivelas e Loures. Este projeto vive por si mesmo: tem extensão de 12 quilómetros e vai ligar um conjunto de localizações importantes entre o hospital de Beatriz Ângelo e o Infantado. Estamos a desenvolver o projeto mas também o município de Loures mudou. Havia estudos desenvolvidos com a anterior vereação; nas próximas semanas, vamos reunir com os presidentes de câmara de Odivelas e de Loures para concertar e finalmente assentar o traçado definitivo.

Isso pode atrasar o projeto?

Apenas queremos definir tudo para rapidamente desenvolvermos o estudo de impacto ambiental.

Que material circulante será utilizado?

O investimento inclui: 12 quilómetros de infraestrutura, sinalização e energia; um parque oficinal e o fornecimento de material circulante. Estimamos que sejam necessários 12 comboios para a operação desta linha, que será independente e que terá um interface de proximidade com a estação de metro de Odivelas. O nosso objetivo é criar uma linha com tempos de percurso de 20 minutos entre Infantado e Odivelas para movimentos de pessoas entre várias localizações dos dois concelhos e como catalisador para a linha mais pesada, em Odivelas.

Se um passageiro quiser viajar entre Loures e Campo Grande terá de mudar de comboio?

Sim. São sistemas independentes. Estamos a falar de um metro ligeiro, com comboios mais pequenos, semelhantes ao do metro (ligeiro) do Porto ou o Metro Sul do Tejo (Almada e Seixal). O problema dos transportes públicos é muito complexo: o crescimento urbano das cidades nem sempre tem sido conduzido de modo planeado. As populações das localidades urbanas a norte de Lisboa são vários conjuntos espaços, com densidades de 10, 15, 20 mil pessoas. É sempre muito difícil, a qualquer meio de transporte, fazer uma interligação perfeita entre esses aglomerados. O metro ligeiro permite fazer isso: é mais fácil de implementar, é de superfície e anda nas ruas dos automóveis. De certa maneira, contribui para retirar mais carros de circulação. Tem um impacto ambiental importante.

Está ainda em estudo a implementação de duas linhas intermodais: uma entre Oeiras e Alcântara e outra entre Santa Apolónia e Sacavém. Qual é o horizonte para a entrada em funcionamento destas linhas?

Não sei dizer. A nossa atividade é desenvolver os estudos prévios e os projetos para apresentação a estudo de impacto ambiental. Tudo o resto depende das autarquias. Presumo que haja um problema pendente: o financiamento. Estamos à espera de retomar os contactos com a câmara relativamente a este assunto.

E o projeto de ligação entre Telheiras e Pontinha?

Gostaríamos de enquadrá-lo no quadro comunitário para 2030. É um projeto já comentado com o presidente da câmara: é muito relevante para o metropolitano conseguir ligar Telheiras à Pontinha e fazer ligação à atual linha azul na estação do Colégio Militar. A manutenção seria mais ágil e passaríamos a ter dois pontos de entrada e de saída do material circulante entre as oficinas e a rede. Também serviria as populações de Telheiras e de Carnide. Se conseguíssemos levar as pessoas da linha amarela até à linha azul, só ficaria a faltar ligação da linha amarela à linha vermelha.

Que impacto todas as obras vão ter nas contratações de trabalhadores para o Metro de Lisboa?

Temos pedido à tutela o reforço dos recursos humanos. A idade média é elevada, entre os 45 e 50 anos. Já fizemos um estudo das aposentações para os próximos anos e pedimos uma antecipação de admissão de recursos para fazer face a isso. Vamos precisar de mais recursos para as estações, as oficinas e os quadros superiores.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de