calçado

Mi-Môh. A marca que quer mimar as mulheres

Fernanda Miranda calça Mi-Moh, a sua nova marca de calçado. Fotografia: Leonel de Castro / Global Imagens)
Fernanda Miranda calça Mi-Moh, a sua nova marca de calçado. Fotografia: Leonel de Castro / Global Imagens)

O projeto é de Fernanda Miranda, a ex-mulher de Pinto da Costa. Uma fatia de 5% das vendas são para solidariedade

Mi-Môh. A palavra significa mimo e foi escolhido, precisamente por isso, para dar nome à marca de calçado feminino que, segunda-feira, é lançada no Porto. Uma aposta de Fernanda Miranda, de 31 anos, mais conhecida pela sua ligação com Jorge Nuno Pinto da Costa, o presidente do Futebol Clube do Porto, com quem esteve casada quatro anos, mas que, agora, concretiza um sonho antigo e se lança no mundo empresarial. Step into love é o slogan da marca.

Sobriedade, sofisticação e romantismo são os valores da Mi-Môh, um investimento da ordem dos 100 mil euros, desenvolvido a pensar em “mulheres cosmopolitas e apaixonadas pela vida e pelo seu bem-estar” e que “procuram tanto uns sapatos requintados para um evento, como um par marcante para o dia-a-dia ou, simplesmente, uns ténis práticos e cheios de personalidade para os momentos mais casual”, adiantou ao Dinheiro Vivo a jovem empresária. “Sempre quis ter uma marca ligada à moda e, sendo os sapatos uma das minhas paixões e a gestão de empresas a minha área de formação, embora não tenha concluído a licenciatura, esta acaba por ser uma aposta natural”, acrescenta Fernanda Miranda que admite prosseguir estudos, mas na área de design de calçado. Eventualmente, em Madrid.

A Mi-Môh chega ao mercado com 25 modelos – 28 se considerarmos as variantes de cores -, que vão das sandálias às botas. “Nesta primeira coleção quisemos apresentar, em simultâneo, soluções de outono/inverno e de primavera/verão, mas, depois, passaremos a lançar duas coleções por ano, embora, fora das estações, tencionemos apresentar modelos soltos que surpreendam o mercado”. Em estudo está, já, uma parceria com um designer de joias para o desenvolvimento conjunto de um desses pares. Os sapatos são produzidos, maioritariamente, na Vannel, empresa de Oliveira de Azeméis especializada em calçado de luxo, sendo os ténis da responsabilidade da Evereste, de São João da Madeira. A marca será vendida, apenas, online, em www.mi-moh.com, com entrega gratuita em 24 horas em Portugal Continental. Para as ilhas, Espanha, França e Suíça, os portes serão de 15 euros. Para a República Checa custarão 20 euros.

Com preços que vão dos 130 aos 385 euros, cada modelo terá o nome de uma cidade, como Paris, Londres, Nova Iorque ou Burano, entre outros, como forma de destacar a identidade cosmopolita do projeto. “Depois do mercado nacional queremos chegar aos restantes países lusófonos e a Espanha. Mas depois temos toda a Europa para conquistar”, diz Fernanda Miranda. A promoção será feita, essencialmente, através das redes sociais.

O objetivo de vendas é de 750 pares no primeiro ano e de 1200 no segundo. E 5% das vendas, neste primeiro ano, revertem a favor da Associação A Casa do Caminho. “A título pessoal, e sempre sob anonimato, ajudei várias instituições. E, por isso, para mim é natural que a Mi-Môh tenha uma vincada componente de solidariedade social. Quanto à instituição, escolhi a Associação A Casa do Caminho porque conheço o seu trabalho e modo de funcionamento, que sei que é eficaz, coordenado e, sobretudo, levado a cabo com muito carinho”, diz.

E ser ex-mulher de Pinto da Costa facilita ou prejudica o negócio? Fernanda Miranda é perentória: “Vai com certeza gerar curiosidade às pessoas para que conheçam a Mi-Môh. E, seguramente, vão-se identificar com a marca”. Para futuro, Fernanda Miranda admite vir a lançar um coleção especial para noivas, bem como permitir a personalização dos sapatos Mi-Môh. Tal como tem a intenção de vir a complementar a oferta com acessórios como as carteiras e os cintos. Mas tudo isso planos futuros. No imediato, está concentrada em conseguir fazer chegar a Mi-Môh ao maior número de mulheres possível.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa Fotografia: Rodrigo Cabrita / Global Imagens

Medidas do Banco de Portugal para travar riscos no imobiliário são “adequadas”

Lisboa Fotografia: Rodrigo Cabrita / Global Imagens

Medidas do Banco de Portugal para travar riscos no imobiliário são “adequadas”

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Finanças destacam período de crescimento mais sustentável das últimas décadas

Outros conteúdos GMG
Mi-Môh. A marca que quer mimar as mulheres