Brexit

Microsoft tira Skype de Londres e despede 400 pessoas

Esta notícia marca o abandono dos escritórios do Skype do país de origem. O serviço de chamadas foi fundado em Londres em 2003

A Microsoft vai fechar o escritório de Londres do Skype, despedindo praticamente 400 pessoas. A notícia foi adiantada no final de sexta-feira pelo Financial Times e surge numa altura em que o setor tecnológico do Reino Unido pretende contrariar os efeitos da saída da região da União Europeia.

A empresa norte-americana diz que “tomou a decisão de fundir alguns lugares na área da engenharia, colocando em risco alguns postos de trabalho no Skype e na Yammer [ferramenta de colaboração da Microsoft]”, indicou fonte oficial ao jornal britânico. A tecnológica diz que vai tentar encontrar uma solução para os funcionários que estão de saída.

Leia aqui: Champions League. Mourinho é a estrela da nova campanha Heineken

Esta notícia marca também o abandono dos escritórios do Skype do país de origem. O serviço de chamadas foi fundado em Londres, em 2003, e foi comprado em 2011 pela Microsoft por 8,5 mil milhões de dólares (7,58 mil milhões de euros, no câmbio atual).

A Microsoft anunciou no final de julho o corte adicional de 2 850 postos de trabalho até ao final de junho de 2017, inclusive, sabe-se agora, os trabalhadores do Skype. A empresa liderada por Satya Nadella já tinha anunciado no final de maio a saída de 1 850 trabalhadores, na sequência da aquisição da Nokia.

Em apenas um ano, a Microsoft vai despedir um total de 4 700 pessoas, ou cerca de 4,1% da força de trabalho, que, a 30 de junho, tinha 114 mil colaboradores. Os planos de reestruturação custaram à Microsoft 501 milhões de dólares (452 milhões de euros) no ano fiscal de 2016, terminado a 30 de junho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

O ex-governador do Banco de Portugal (BdP), Vítor Constâncio, fala perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. TIAGO PETINGA/LUSA

Constâncio: Risco para a estabilidade no crédito a Berardo era “problema da CGD”

Outros conteúdos GMG
Microsoft tira Skype de Londres e despede 400 pessoas