retalho

Milionário russo estuda OPA à dona do Minipreço

(REUTERS/Andrea Comas)
(REUTERS/Andrea Comas)

A avançar, a OPA será voluntária e terá fortes chances de ser bem-sucedida.

O grupo espanhol Dia, dono dos supermercados Minipreço, pode mudar de dono nos próximos meses. O milionário russo Mikhail Fridman, que é o maior acionista deste grupo de retalho (detém 25% das ações), pode lançar uma oferta pública de aquisição (OPA) à empresa espanhola, avança este sábado o jornal Expansión.

O magnata russo poderá lançar uma OPA graças ao apoio do banco de investimento Goldman Sachs, que já possui, de forma indireta, 14,534% dos títulos do grupo Dia. Estas ações, na sua maioria, já pertencem a Mikhail Fridman, o que dará perto de 30% do capital da retalhista espanhola. Se o empresário, depois, reforçar a sua participação com a compra de títulos no mercado, será forçado a lançar uma OPA sobre a totalidade do grupo Dia.

A avançar, a OPA será voluntária e terá fortes chances de ser bem-sucedida. Fridman contará com o apoio de alguns dos administradores do grupo espanhol. como Karl-Heinz Holland, ex-CEO do Lidl, e Stephan Du-Charme, líder do grupo russo X5, que foram escolhidos pelo milionário russo.

Fridman poderá ter ainda o apoio de outros acionistas com participações relevantes no grupo Dia: o fundo de investimento escocês Baillie Gifford (10,48% do capital), o fundo canadiano Black Creek (4,9% do capital), o Société Générale (4,889% do capital) e o Norges Bank (4,6%).

O grupo Dia tem desiludido os acionistas em 2018. No primeiro semestre, os lucros recuaram 44% para 66,1 milhões de euros, penalizados pelos problemas cambiais em mercados como o Brasil e Argentina. Estes números levaram mesmo à saída de Ricardo Currás como presidente executivo do grupo, segundo o jornal El País.

O milionário russo está no grupo Dia desde final de julho de 2017, depois de ter investido 323 milhões de euros para ficar com 10% das ações.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Costa e Mário Centeno na convenção do PS. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Centeno. Portugal é dos melhores a progredir em dívida, desemprego e crescimento

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: José Sena Goulão/Lusa

Dívida pública desce mais devagar do que o previsto

desemprego Marcos Borga Lusa

Taxa de desemprego nos 5,9% em 2020. A mais baixa em 17 anos

Outros conteúdos GMG
Milionário russo estuda OPA à dona do Minipreço