retalho

Milionário russo lança OPA voluntária sobre dona do Minipreço

dia-supermercados--644x362

A OPA foi lançada a um preço de 0,67 euros por ação. Valor abaixo dos 3,73 euros que Mikhail Fridman pagou por cada título na última compra.

A Letterone, principal acionista do grupo espanhol Dia, controlada por Mikhail Fridman, lançou uma oferta pública de aquisição (OPA) voluntária sobre a dona do Minipreço, avança o Cinco Días, esta terça-feira. Em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários espanhola, o fundo anunciou a sua intenção controlar a cotada espanhola a 100%. Depois da tomada de controlo, o milionário russo pretende avançar com um aumento de capital de 500 milhões de euros.

A OPA foi lançada a um preço de 0,67 euros por ação, um valor acima da cotação de fecho da empresa na última sessão. O Dia encerrou a 42,93 cêntimos, mas esta manhã está a ganhar mais de 70% com a oferta apresentada, tendo mesmo superado já a contrapartida apresentada por Fridman. Chegou a ganhar 72% para 73 cêntimos.

Grafico Dia

É o caráter voluntário da OPA que torna possível oferecer apenas 0,67 euros por título. Em condições normais se um investidor ultrapassa 30% do capital de uma empresa está obrigado a lançar uma OPA, mas ao chamado “preço equitativo”, ou seja, um preço que se calcula com o mais alto que o licitante teria pago pela aquisição de ações durante os 12 meses anteriores ao anúncio da oferta. Por essa via, o preço mais alto que a Letterone pagou foi 3,73 euros, na sua última compra de 14% do capital, a 19 de outubro de 2018. Mas não é esse o valor que a empresa vai pagar por ação. A Letterone argumenta, segundo o El País, que, não tendo ultrapassado a barreira dos 30% e fazendo uma “oferta voluntária”, não está sujeita a essa obrigação.

A OPA dirige-se a 70,9% do capital da empresa, o que equivale a um total de 441.937.819 ações. A concretizar-se, a Letterone desembolsaria 296,1 milhões de euros. Para que a operação siga em frente com esse preço, a lei estabelece que metade dos acionistas (35,4%) tem de estar de acordo. Com esta aprovação, Mikhail Fridman alcança pelo menos 64,5% das ações.

A Letterone admitiu no comunicado que não tinha qualquer acordo sobre a oferta com acionistas ou membros do conselho de administração. A empresa assegurou ainda que não tinha inteção de levar a cabo “um procedimento de venda forçada”, indo seguir aquilo que dita a legislação. Isto significa que, se alcançar 90% dos títulos, poderá adquirir ao preço da OPA os 10% restantes.

Em agosto, o Dinheiro Vivo escreveu que ao ser voluntária, a OPA terá fortes chances de ser bem-sucedida, uma vez que Mikhail Fridman contará com o apoio de alguns dos administradores do grupo espanhol. como Karl-Heinz Holland, ex-CEO do Lidl, e Stephan Du-Charme, líder do grupo russo X5, que foram escolhidos pelo milionário russo.

A cadeia de retalho ainda não realizou comunicados oficiais sobre o assunto. Fontes da empresa, citadas pelos jornais espanhóis, afirmam que para já se mantêm os planos iniciais: apresentar resultados e um plano estratégico nos próximos dias e ainda um aumento de capital de 600 milhões, se será votado em assembleia prevista para março.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Milionário russo lança OPA voluntária sobre dona do Minipreço