Trabalho

Milionários portugueses criam apenas 1,3% dos empregos

Paula Amorim é a atual líder do grupo Amorim. Fotografia: Direitos Reservados
Paula Amorim é a atual líder do grupo Amorim. Fotografia: Direitos Reservados

Das dez maiores fortunas portuguesas, só os grupos Jerónimo Martins e José de Mello dão trabalho a mais de 10 mil colaboradores

As dez famílias mais ricas de Portugal, com um património conjunto superior a 14 mil milhões de euros, dão emprego a apenas 65 mil pessoas no país, 1,3% do total de 4,8 milhões dos trabalhadores portugueses. A fortuna da maioria destes grupos empresariais está hoje assente em operações no estrangeiro. “Todos têm negócios fora do país, são grandes empresas a nível internacional e grande parte da riqueza é feita no exterior”, sublinha o economista João Cerejeira. Exemplos são o grupo Amorim, a Jerónimo Martins ou a Farfetch.

A família Amorim, a mais rica de Portugal – a sua fortuna está avaliada em 4502 milhões de euros (números da Forbes Portugal), tem ativos financeiros, imobiliários e turísticos espalhados por mercados como Angola, Moçambique ou Brasil. A participação de 33,3% na Galp é a força motriz do grupo e consolida a sua internacionalização. A petrolífera marca presença em onze países e emprega mais de seis mil pessoas. Em território nacional, a sua força de trabalho está concentrada na Corticeira Amorim, onde responde por 3300 colaboradores, mas estende a sua atividade a áreas como o luxo e o turismo.

Também os 3419 milhões de euros da família Soares dos Santos são hoje alimentados por uma atividade no retalho alimentar que, desde há muitos anos, é marcadamente internacional. As operações na Polónia e na Colômbia já empregam 76 mil pessoas. Ainda assim, o negócio da Jerónimo Martins em Portugal garante mais de 32 mil empregos, a que se pode somar 1200 postos de trabalho espalhados por outras atividades em território nacional da segunda família mais rica. Entre as dez maiores fortunas nacionais, é este o clã que assegura o maior volume de emprego no país.

Situação idêntica vive a família Silva Ribeiro, que tem forte presença em Angola e no Brasil. Os seus ativos mais conhecidos são a construtora Alves Ribeiro e a Mundicenter. Com uma fortuna avaliada em 1401 milhões, o grupo estende os seus negócios à banca, através do Banco Invest, e ao imobiliário. A Alves Ribeiro emprega cerca de 500 pessoas, a que se soma cerca de 180 na Mundicenter.

Foco no país
Em oposição, está Vasco de Mello e família. O património deste agregado, o quarto mais rico de Portugal, atinge os 1179 milhões e os seus negócios estão concentrados no país. Só na José de Mello Saúde, que explora a rede CUF, emprega mais de 8900 pessoas e na Brisa 2580. O grupo responde por um total de 12 650 colaboradores, com apenas 29 no exterior.

Entre os negócios do papel, cimento e hotelaria, a família Queiroz Pereira emprega 4551 pessoas em Portugal. Com uma fortuna avaliada em 1129 milhões, não deixa de marcar presença no estrangeiro, onde tem 1798 colaboradores. As famílias Manuel Violas e Rita Violas e Sá (889 milhões de euros) têm um universo de mais de três mil profissionais nas suas empresas. Entre os principais ativos encontra-se a participação no Super Bock Group, a Solverde e a Cotesi, unidade que tem três fábricas no exterior.

Com uma fortuna de 822 milhões, a família Luís Vicente responde por mais de 5000 empregos. Os seus negócios marcam presença em vários países do mundo, com destaque para Portugal, Brasil e Angola, tendo este último grande relevo. A mais recente aposta foi a expansão da marca de mobiliário Kinda, que nasceu em Angola, para Portugal.

Curioso, ou não, José Neves, que detém a Farfetch e uma fortuna de 689 milhões, que o colocava no ano passado no penúltimo lugar dos dez mais ricos, (entretanto revista em alta para mais de mil milhões), optou por Portugal para instalar o centro de operações da empresa distribuidora de produtos de luxo. No país, tem 1700 colaboradores, de um total de três mil.

Fernando Pinho Teixeira, que encerra a lista dos dez mais ricos (612 milhões), dá trabalho a mais de 1240 pessoas no grupo Ferpinta, mais de 900 em Portugal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
João Leão e Mário Centeno. Foto: Tiago Petinga/Lusa

Governo impõe aumento de 0,3% na função pública. Impacto pode ser de 70 milhões.

João Leão e Mário Centeno. Foto: Tiago Petinga/Lusa

Governo impõe aumento de 0,3% na função pública. Impacto pode ser de 70 milhões.

Christine Lagarde, presidente do BCE. Fotografia: REUTERS/Johanna Geron

Lagarde corta crescimento da zona euro para apenas 1,1% em 2020

Outros conteúdos GMG
Milionários portugueses criam apenas 1,3% dos empregos