EDP

Ministro adjunto pede escusa no caso da OPA à EDP

Fotografia: Filipe Amorim / Global Imagens
Fotografia: Filipe Amorim / Global Imagens

Pedro Siza Vieira pediu para não estar envolvido “em matérias relacionadas com o setor elétrico”. E António Costa acedeu.

O ministro adjunto, Pedro Siza Vieira, pediu para não participar no processo que envolve a operação pública de aquisição (OPA) sobre a EDP e o primeiro-ministro, António Costa, aceitou.

O despacho, publicado na página do governo, refere que o Siza Vieira “formulou requerimento no passado dia 11 de maio, através do qual pediu escusa” de “intervir em matérias relacionadas com o setor elétrico e referiu que desde logo havia cessado qualquer intervenção nessas matérias”.

No requerimento apresentado pelo governante é salientado que, na última sexta-feira, 11 de maio, a comunicação social noticiou o lançamento da OPA sobre a totalidade do capital da elétrica liderada por António Mexia e da EDP Renováveis e que “nessa operação o oferente – China Three Gorges (CTG) – é juridicamente assessorado pela sociedade de advogados Linklaters LLP”.

O ministro foi “durante cerca de 16 anos” sócio “da referida sociedade de advogados, sendo certo que, antes da sua tomada de posse, acordou a amortização da sua quota com aquela sociedade, tendo cessado toda a ligação à mesma, e não teve, antes dessa data, qualquer contacto como advogado ou em qualquer outra qualidade com a CTG ou seus representantes”.

Assim, Pedro Siza Vieira entende que a “situação pode suscitar dúvidas sobre a imparcialidade na apreciação das matérias relativas ao setor elétrico”, pedindo assim escusa.

António Costa deferiu o pedido de escusa de Pedro Siza Vieira, estando assim o governante dispensado de “intervir em matérias relacionadas com o setor elétrico enquanto se encontrar em curso” OPA sobre o grupo EDP, apresentada pela China Three Gorges.

No final da semana passada, a China Three Gorges, que já detém uma participar de mais de 20% na elétrica liderada por António Mexia avançou com uma OPA para ficar com a totalidade da empresa. Ontem a agência de informação económica Bloomberg avançava que a EDP estava a preparar-se para rejeitar oferta da China Three Gorges.

Esta manhã, numa nota enviada ao regulador do mercado de capitais, a EDP indicou que: “o Conselho de Administração Executivo considera que o preço oferecido não reflete adequadamente o valor da EDP e que o prémio implícito na oferta é baixo considerando a prática seguida no mercado europeu das ‘utilities’ nas situações onde existiu aquisição de controlo pelo oferente”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Pedro Queiroz Pereira

Pedro Queiroz Pereira deixa império de mil milhões

Pedro Queiroz Pereira, presidente do conselho de administração da Semapa

Semapa: “Mais do que um património, PQP deixa força e deixa valores”

Outros conteúdos GMG
Ministro adjunto pede escusa no caso da OPA à EDP