Mobilidade Elétrica

Mobi.E divulga preços para carregamentos rápidos, Galp oferece descontos

Foto: REUTERS/Simon Dawson
Foto: REUTERS/Simon Dawson

A eletricidade será para já fornecida apenas por quatro empresas: EDP Comercial, GALP Power, PRIO.E e GRCAPP.

A Mobi.E publicou esta segunda-feira, 15 de outubro, os preços que serão cobrados aos utilizadores de veículos elétricos pelos operadores dos postos de carregamento (OPC) nos cerca de 60 postos de carregamento rápido da rede nacional a partir de 1 de novembro. No entanto, este serviço de operação é apenas uma das parcelas que compõem o preço final que os utilizadores terão de pagar e que, de acordo com a Associação de Utilizadores de Veículos Elétricos, poderá ser 10 vezes mais caro do que carregar em casa, por exemplo.

Olhando para a lista divulgada pela Mobi.E, os preços nos postos operados pela Galp surgem como mais elevados face aos postos da EDP, por exemplo. Já no preço da energia, a Galp oferece um desconto de 20% no termo variável a quem adira ao cartão GalpElectric, uma campanha válida até 31 de dezembro de 2018. A tabela de preços da Galp, já com tarifas de acesso, varia entre 0,2377 euros (fora de vazio – ponta) e os 0,1575 euros (vazio) por KWh.

A outra parcela do preço, ainda por revelar no caso da EDP e da Prio, diz respeito ao serviço do comercializador de energia para a mobilidade elétrica (CEME), que inclui o custo da energia (energia e tarifas de acesso às redes de energia). O preço dos carregamentos inclui também a tarifa de entidade gestora, “que será zero euros nesta fase”.

Na prática, quando um dono de um carro elétrico se deslocar a um posto de carregamento rápido da Mobi.E a partir de 1 de novembro terá obrigatoriamente de ter na sua posse um cartão de acesso (atribuído na sequência do contrato celebrado com o comercializador de energia escolhido), mas não conseguirá saber no momento imediato que valor irá pagar pelo carregamento em questão.

Isto porque o preço final dependerá de uma série de fatores: alguns operadores vão faturar por tempo de carregamento (ao minuto), outros por KWh abastecido, uns vão incluir uma taxa de ativação, tipo bandeirada de um táxi, outros não, uns vão ter preço comum para todo o território nacional, outros já disseram que vão fazer preços distintos por região.

Em cada local, os preços estarão obrigatoriamente afixados e os utilizadores vão saber quando custa carregar em cada local, mas o valor total do carregamento será uma incógnita e só virá descriminado na fatura, depois de somado o preço da eletricidade cobrado por cada fornecedor. Explica a Mobi.E no site que “os CEME têm total liberdade para a definição das suas propostas comerciais aos utilizadores”.

EDP Comercial, Galp Power, Prio.E e GRCAPP são as primeiras quatro empresas que irão disponibilizar este serviço na rede Mobi.E e cobrar por ele nos postos de carregamento rápido que garantem 80% da capacidade das baterias em meia hora.

“O custo de um carregamento será igual ao valor que o seu CEME [comercializador] lhe cobra pelo serviço (que inclui a energia), mais o valor do serviço de operação do respetivo posto. Não está previsto o pagamento da CAV [contribuição do audiovisual], nem da taxa da DGEG”, refere a Mobi.E em nota publicada na sua página oficial esta segunda-feira.

“Com esta modificação nas condições de utilização da Rede é dado um passo relevante para a criação de condições que permitam a sua expansão e a melhoria da experiência de utilização. Para questões relacionadas com o seu contrato e faturação, o UVE deverá contactar o respetivo CEME. Para questões relativas à Rede MOBI.E e ao funcionamento/acesso aos postos de carregamento, o UVE deverá continuar a utilizar a linha de apoio MOBI.E”, explica ainda a Mobi.E.

Caberá agora a cada uma das empresas comercializadoras divulgar os tarifários que vai praticar, para que os utilizadores possam escolher e celebrar o respetivo contrato de fornecimento de energia elétrica. Para já, apenas a Galp disponibilizou os preços no seu site, válidos a partir de 15 de outubro.

Celebrado o contrato, o utilizador vai receber um cartão do comercializador de energia e que dará acesso a todos os postos de carregamento rápido da rede Mobi.E, independentemente do operador do posto de carregamento (OPC). Estes cartões darão, igualmente, acesso a todos os postos de carregamento normal (PCN) da rede MOBI.E, apesar de a sua utilização continuar a ser gratuita.

O início do pagamento da utilização dos postos de carregamento rápido era reclamado há vários meses pelos operadores, que se têm queixado de prejuízos pelo duplo atraso no início desta cobrança.

O início da cobrança pelos carregamentos não servirá apenas à medida dos operadores; também será necessário para cumprir as metas do Governo para a rede de carregamento dos automóveis sem emissões: “queremos ter um carregador rápido por cada 80 veículos e um carregador normal por cada 15 veículos” nos próximos “3 ou 4 anos”.

O relatório do orçamento do Estado para 2019 diz que “em relação à rede piloto de carregamento MOBI.E, 2019 será o ano da total cobertura do território nacional, prevendo-se a conclusão da 2.ª fase da rede piloto, com a instalação de um posto de carregamento em cada município em falta”. O documento refere que “será dado, ainda, início ao pagamento da energia para a mobilidade elétrica, permitindo que a futura expansão seja feita em regime de mercado, com o respetivo investimento por parte dos operadores de pontos de carregamento”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Rodrigo Cabrita/Global Imagens

Idosos com isenção de mais-valias se aplicarem dinheiro em PPR

Cecília Meireles

CDS também quer IRS atualizado à taxa de inflação

Foto: Filipe Amorim/Global Imagens

“A banca não está a ajudar o Sporting na emissão obrigacionista”

Outros conteúdos GMG
Mobi.E divulga preços para carregamentos rápidos, Galp oferece descontos