fazedores

mobi.eTours. Correr a cidade de lés a lés sem poluir

mobi.eTours 4

O projeto português quer levar os turistas a conhecer as cidades com scooters elétricas. Mas não só. A ideia é chegar também às pessoas no local de origem. Projeto é para expandir em Portugal e, depois, fora do país.

O turismo corre nas veias de Rui Fraga Fontes desde que nasceu. Os negócios no setor fazem parte do legado familiar há décadas. Em pleno século XXI, e com a preocupação com o meio ambiente cada vez mais no topo das prioridades das gerações mais novas, Rui percebeu que estava na altura de lançar uma solução que respondesse a essa questão. Juntou a isso o facto de Portugal ser cada vez mais um destino de eleição por parte dos turistas, e criou a mobi.eTours.

“O que tentámos fazer foi transpor para a atualidade o que é o serviço turístico atual. Procuramos com este projeto ter em conta as preocupações das pessoas, nomeadamente com o meio ambiente. Por isso, a nossa frota vai ser totalmente elétrica. A ideia surge pela circunstância de ser um negócio que se encaixa na tradição dos negócios da família. E porque surgiu uma oportunidade em termos de mercado”, conta Rui Fraga Fontes, CEO da mobi.eTours.

Este projeto, que vai começar a rolar em Lisboa na próxima primavera, quer levar os turistas a conhecer as cidades com quadriciclos de dois lugares e scooters elétricas. Apesar de no mercado haver já outras soluções de mobilidade elétrica, a mobi.eTours pretende diferenciar-se, “procurando ter uma oferta não só inovadora em termos daquilo que é o serviço mas também de tudo o que está inserido nesse serviço que prestamos aos clientes”. Uma das diferenças é o posicionamento para atrair clientes, pretendendo ir “buscá-los à origem” e não promover um modelo em que o turista vai ao seu encontro. Isso incluiu permitir que os turistas reservem os veículos e circuitos na mesma altura em que reservam, por exemplo, o alojamento. “No aeroporto, vamos ter um helpdesk para acolher os clientes e apresentarmos a nossa oferta. Vamos estar presentes [fisicamente] em alguns hotéis das cidades onde vamos comercializar o nosso produto, com veículos para que o cliente possa logo ter um contacto com a realidade e utilizar o serviço. Vamos estar presentes também em vários locais das cidades com os nossos spot, onde vamos ter os veículos e comerciais que vão propor a utilização do serviço.”

Os veículos vão estar equipados com um tablet onde corre uma aplicação com sistema audio guide integrado com GPS que, além de guiar o turista, consoante o circuito selecionado, vai dando informações relevantes sobre os locais de interesse turístico e monumentos. “Queremos chegar ao verão de 2019 com 40 a 50 viaturas quadriciclos e vamos tentar ter 40 a 50 scooters. Tudo em Lisboa. Em 2020, vamos estar no Porto e Funchal. O Algarve é um destino que estamos a considerar mas tem as suas especificidades”, admite Rui Fraga Fontes. A internacionalização do projeto é igualmente uma ambição para os próximos anos.

Até aqui, todo o investimento no desenvolvimento da empresa – incluindo na aplicação e no primeiro projeto-piloto para testar o interesse potencial nesta solução, concretizado no último verão – foi suportado com capitais próprios. Contudo, para a aquisição dos veículos a empresa tem em curso uma campanha na plataforma de equity crowdfunding Seedrs, na qual procura angariar 70 mil euros.

O líder da mobi.eTours assume que esta operação é um teste ao mercado, dado que têm “vários projetos futuros de maior dimensão ainda, não só em termos de internacionalização de circuitos mas também em outras áreas ligadas à mobilidade elétrica” e para os quais vão “precisar de um volume bastante elevado de capital. Esta experiência com a Seedrs vai permitir-nos perceber se este poderá ser um caminho”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (Fotografia: Mário Cruz/ Lusa)

Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas” à CGD

Pedro Granadeiro / Global Imagens

Reclamações. Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

Paulo Macedo, presidente da CGD

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
mobi.eTours. Correr a cidade de lés a lés sem poluir