cartel

Modelo Continente censura AdC. Comunicação “não salvaguarda o direito de defesa”

Hipermercado Continente

A cadeia do grupo Sonae é um dos seis grupos de distribuição acusados pela Concorrência de combinação de preços com cervejeiros

O Modelo Continente já reagiu à Autoridade da Concorrência (AdC) que acusou a cadeia da Sonae, entre outras empresas, de combinação de preços com as cervejeiras, prejudicando com isso os consumidores. A cadeia recusa a acusação e critica o regulador pela comunicação da nota de ilicitude, porque “não salvaguarda o direito de defesa e representa uma restrição ao direito ao bom nome e à reputação da sociedade.”

“A Autoridade da Concorrência publicitou hoje no seu site que dirigiu notas de ilicitude à Modelo Continente. Não podemos deixar de censurar esta comunicação, que não salvaguarda o direito de defesa e representa uma restrição ao direito ao bom nome e à reputação da sociedade”, fonte oficial do Modelo Continente, numa declaração enviada ao Dinheiro Vivo.

“As notas de ilicitude não representam o resultado final da investigação, mas sim uma fase provisória e que está ainda sujeita ao exercício do direito de defesa da visada”, frisa fonte oficial da cadeia da Sonae.

“Esta comunicação e as referidas notas vão ser analisadas com todo o rigor e cuidado, sendo certo que não abdicaremos de salvaguardar os nossos direitos, nomeadamente o de defesa em lugar próprio”

“As empresas do Grupo estão cientes das suas obrigações legais, tendo sempre pautado a sua atividade pelo estrito cumprimento das mesmas, e por uma conduta condizente com os nossos valores de ética e transparência e cultura de defesa dos nossos consumidores”, diz ainda fonte oficial.

O Modelo Continente foi uma das seis cadeias de distribuição de combinação de preços com as cervejeiras, prejudicando com esta prática os consumidores.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Modelo Continente censura AdC. Comunicação “não salvaguarda o direito de defesa”