pagamentos

Moey. Crédito Agrícola lança novo serviço para concorrer com Revolut

Fonte: Moey
Fonte: Moey

O Crédito Agrícola lançou uma nova aplicação para smartphone, que disponibiliza vários serviços bancários, “sem comissões adicionais”, promete.

A nova aposta do Crédito Agrícola promete concorrer no mercado das fintech Revolut ou da N26, que já contam com vários clientes em Portugal. Este banco digital permitirá fazer pagamentos através do smartphones, ter acesso a ferramentas de poupança, enviar dinheiro através de smartphone e fazer levantamentos em terminais no estrangeiro, “sem comissões adicionais”, refere o comunicado.

A aplicação está disponível para Android e iOS, com o Crédito Agrícola a prometer o registo em “dez minutos”. No site, é indicado que precisa de ter um cartão do cidadão português para abrir uma conta e ainda fazer uma videochamada, para efeitos de confirmação de identidade. “A videochamada é muito rápida, demora cerca de cinco minutos e pode ser marcada entre as 9h e as 24 horas”, aponta o site.

Os clientes do Moey podem ter acesso também a um cartão físico, disponibilizado como uma opção do serviço. “O cartão físico, quando solicitado, vai ter diretamente à morada solicitada pelo cliente, sem qualquer custo”, explica Ricardo Madeira, diretor de Digital e Inovação do Grupo CA e diretor do moey. Em comparação, a concorrente Revolut cobra 5,99 euros pelo envio do cartão físico do serviço.

Nesta altura de lançamento, o banco refere ainda que esta solução não inclui custos de abertura ou gestão de conta. À semelhança de outras opções, como o banco digital N26, o Moey chega ao mercado com integração de Apple Pay. Neste caso, os clientes com dispositivos da marca da maçã podem fazer pagamentos através do smartwatch ou do telefone, por exemplo.

É referido que o Moey demorou “cerca de um ano” a ser desenvolvido, num esforço conjunto entre Portugal, EUA, Polónia, Espanha, Dinamarca, República da Irlanda e Islândia, “numa equipa multidisciplinar com cerca de 200 pessoas”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Moey. Crédito Agrícola lança novo serviço para concorrer com Revolut