Monsanto

Monsanto. O fim de uma das empresas mais odiadas do mundo?

Foto: D.R.
Foto: D.R.

Oferta da Bayer de 55 mil milhões de euros poderá significar o fim de uma das empresas e marcas mais odiadas no mundo

A Monsanto é uma das empresas e marcas mais odiadas no mundo que até tem direito a um ‘Dia da Marcha Global’. Mas o nome poderá desaparecer com a Oferta Pública de Aquisição de 55 mil milhões de euros lançada hoje oficialmente pela Bayer.

De acordo com fonte próximas da Bayer, citadas pela Bloomberg, a empresa alemã poderá abandonar o nome da Monsanto caso a OPA tenha sucesso, tal como fez ‘desaparecer’ a Schering quando a comprou por 22 milhões de dólares em 2006.

O ódio pela Monsanto está no facto de a empresa desenvolver sementes e produtos agrícolas geneticamente manipulados, com os ativistas e ambientalistas a defenderem que esta tecnologia representa elevados riscos para a saúde.

O facto de discordarem do modelo de exploração usado pela empresa, com a utilização de químicos, originou a criação de um ‘Dia da Marcha Global contra a Monsanto’, que aconteceu este sábado, dia 21 de maio.

Num inquérito feito no ano passado às empresas mais odiadas e amadas dos Estados Unidos, a Monsanto ficou em quarto lugar, atrás do Goldman Sachs e das petrolíferas BP e Halliburton.

“Ainda é cedo para especular qual será o nome da empresa”, afirmou o CEO da Bayer. Em entrevista à Bloomberg, Werner Baumann, salientou que “o nome e a reputação da Bayer representa ciência, inovação e um nível elevado de responsabilidade pelas necessidades da sociedade”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

GSFJ0097

Novo Banco com prejuízos de mais de 1.058 milhões de euros

O ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (E), ladeado pelo presidente da Comissão de Orçamento e Finanças, Filipe Neto Brandão (D) na audição na Comissão de Orçamento e Finanças. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Orçamento do Estado quase pronto para seguir para Belém

Monsanto. O fim de uma das empresas mais odiadas do mundo?