Black Friday

Moody’s: Black Friday pode prejudicar setor do retalho

REUTERS/Shannon Stapleton
REUTERS/Shannon Stapleton

A agência de notação financeira Moody's considera que a Black Friday pode prejudicar o setor, devido às margens mais reduzidas para os comerciantes.

A Moody’s considerou esta quinta-feira que a ‘Black Friday’, que se assinala esta sexta-feira, tem um impacto negativo no setor europeu de retalho, levando frequentemente a uma antecipação das compras natalícias com margens mais reduzidas para os comerciantes.

“A ‘Black Friday’ leva, em muitos casos, a uma antecipação das compras de Natal, muitas vezes com margens mais baixas, e é por isso negativa para o setor europeu de retalho em geral e raramente positiva para as empresas individualmente”, afirma o vice-presidente e ‘senior credit officer’ da agência de ‘rating’, numa nota hoje divulgada.

Segundo David Beadle, os retalhistas mais astutos que optaram por aderir à ‘Black Friday’ — ‘Sexta-feira negra’ em português, na qual retalhistas de vários setores aplicam diferentes percentagens de descontos — vão fazê-lo “com uma estratégia bem pensada, que inclui compras feitas especificamente para proteger as margens”.

Já outros “decidiram que a sua rentabilidade global e o valor das respetivas marcas ficam melhor protegidas não aderindo”, nota a Mooody’s, acrescentando: “A seu tempo, acreditamos que este evento será cada vez mais circunscrito aos equipamentos elétricos/eletrónicos e que os consumidores acabarão por perceber que as verdadeiras pechinchas são raras”.

Também hoje a Moody’s publicou um relatório sobre as perspetivas para o setor de retalho europeu, que diz estar debaixo de alguma “turbulência” devido a questões relativas à gestão e à mudança dos hábitos dos consumidores, a que se juntam as incertezas ligadas ao ‘Brexit’ no caso dos retalhistas britânicos.

Segundo David Beadle, “os retalhistas já estabelecidos no mercado e com maior dimensão, particularmente no setor do vestuário, são os que estão a sentir mais problemas de adaptação, à medida que os consumidores vão optando pelas compras ‘online’ em busca de maior comodidade e valor”.

“Alguns retalhistas continuam a ser menos bem-sucedidos na adaptação à mudança de hábitos do consumidor. As empresas com estratégias ganhadoras são as que estão a responder com sucesso ao desejo do consumidor por maior comodidade e valor na compra”, sustenta, acrescentando que “os retalhistas de vestuário estão particularmente expostos a esta realidade, assim como à exigência de qualidade e moda”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Indústria do calçado. 
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal regressou ao Top 20 dos maiores produtores de calçado

Alexandre Meireles, presidente da ANJE. Fotografia:  Igor Martins / Global Imagens

ANJE teme que 2021 traga “grande vaga” de falências e desemprego

Mina de carvão perto da cidade de Oaktown, Indiana, Estados Unidos. (EPA/TANNEN MAURY)

Capacidade de produção de carvão caiu pela primeira vez

Moody’s: Black Friday pode prejudicar setor do retalho