Mota-Engil ganha contrato de 2,6 mil milhões de euros nos Camarões

Gonçalo Moura Martins e António Mota
Gonçalo Moura Martins e António Mota

A empresa de mineração Sundance Resources adjudicou um contrato de engenharia, procurement e construção à Mota-Engil Engenharia e Construção África, no valor de 3,5 mil milhões de dólares (cerca de 2,6 mil milhões de euros).

O contrato, informou a empresa em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, inclui a construção de 580 quilómetros de linhas ferroviárias e um porto de águas profundas na República dos Camarões.

Leia também: Mota-Engil assegura contratos de concessão e obras de 520 milhões na América Latina

O projeto vai incluir 510 quilómetros de linha férrea desde a Mina em Mbalam, nos Camarões, até ao Terminal em Lolabe, na costa oeste do país. Na República do Congo, será construído um ramal ferroviário de 70 quilómetros, para ligação à Mina em Nabeba. O terminal portuário e águas profundas terá capacidade para estaleiros e 35 milhões de toneladas por ano.

De acordo com o documento enviado à CMVM, o contrato enquadra-se no Projeto de Minério de Ferro Mbalam-Nabeba (um dos mais relevantes projetos de infraestruturas do país e da região), localizado em Mbalam, a cerca de 485 quilómetros a leste da cidade costeira de Kribi na República dos Camarões, abrangendo ainda a zona de Nabeba na República do Congo.

De acordo com a Sundance, todas as condições precedentes deverão estar observadas até meados de 2015, altura a partir da qual deverá arrancar a construção, que decorrerá durante um período de cerca de 42 meses, iniciando-se entretanto o desenvolvimento do projeto de execução e a realização de trabalhos preliminares. Depois de concluídas, as infraestruturas servirão de escoamento da produção daquele projeto, de que a Sundance Resources é concessionária.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
Mota-Engil ganha contrato de 2,6 mil milhões de euros nos Camarões