Construção

Mota-Engil ganha metro do Panamá e reforça presença no Brasil e Peru

António Mota, chairman da Mota-Engil. Fotografia: D.R.
António Mota, chairman da Mota-Engil. Fotografia: D.R.

Grupo Mota-Engil celebrou novos contratos na América Latina. Carteira de encomendas ultrapassa os 5,2 mil milhões de euros.

A Mota-Engil faz parte do consórcio que ganhou um concurso público internacional para construir uma extensão de 2,2 quilómetros no metro da Cidade do Panamá. Numa nota divulgada esta quinta-feira, o grupo revela que o contrato está avaliado em 159 milhões de euros. A Mota-Engil detém 49% do consórcio, que é constituído também pela empresa espanhola OHL.

A obra, a primeira do grupo no Panamá, tem um prazo de execução previsto de 33 meses e inclui a construção de uma estação com capacidade para mais de 10 mil passageiros, um ponto de ligação a autocarros e um parque de estacionamento para 800 carros.

Além do contrato no Panamá, a empresa liderada por Gonçalo Moura Martins reforçou a presença noutros mercados da América Latina, ao garantir novos projetos no Brasil e no Peru.

No Brasil, o grupo ganhou contratos avaliados em 40 milhões de euros. Uma parte destas obras pertence à Petrobras, com a qual a Mota-Engil já tinha assinado dois contratos para a construção de plataformas petrolíferas no ano passado.

Também no Brasil, a empresa garantiu um contrato para a prestação de serviços de limpeza urbana em São Paulo. A adjudicação foi feita à subsidiária da Mota-Engil para a área do ambiente, a CONSITA, em consórcio com duas empresas locais. O contrato é válido por cinco anos e vale 144 milhões de euros. A mesma empresa celebrou outros contratos mais pequenos, no valor total de 36 milhões de euros.

O grupo garantiu ainda novos contratos estimados em 40 milhões de euros no Peru, onde já detém uma parte significativa do mercado de infraestruturas, com destaque para o setor mineiro.

Na mesma nota, a Mota-Engil sublinha que continua a apostar na diversificação do negócio, sendo disso exemplo um projeto turístico no México do qual o grupo é um dos promotores. O complexo Costa Canuva terá “um vasto conjunto de residências e hotéis, um campo de golfe e uma marina”. Já garantida pela Mota-Engil está a construção dos hotéis Ritz Carlton Reserve e do Hotel Fairmont.

A carteira de encomendas do grupo ultrapassa atualmente os 5,2 mil milhões de euros. Em Portugal, no primeiro semestre de 2019, a empresa angariou obras avaliadas em 175 milhões de euros, tendo “perspetivas de crescimento ainda mais evidentes a partir de 2020, através da retoma do investimento público, e em projetos de infraestruturas relevantes para o reforço da rede transeuropeia de transportes”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
apple one

Apple One junta vários serviços, chega a Portugal mas com limitações. O que tem

A  90ª edição da Micam, a feira de calçado de Milão, está agendada para os dias 20 a 23 de setembro, com medidas de segurança reforçadas. Fotografia DR

Calçado. Micam arranca este domingo e até há uma nova marca presente

Os ministros da Presidência do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva (C), Economia, Pedro Sia Vieira (E) e do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D). MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Portugal é o quarto país da UE onde é mais difícil descolar do mínimo

Mota-Engil ganha metro do Panamá e reforça presença no Brasil e Peru