Construção

Mota-Engil ganha obras de mais de 25 milhões em Angola

Mota-Engil (Mario Proenca/Bloomberg)
Mota-Engil (Mario Proenca/Bloomberg)

O chefe de Estado angolano, João Lourenço, autorizou a despesa e a contratação da Mota-Engil, para a obra de 9.173 milhões de kwanzas.

A construtora de origem portuguesa Mota-Engil foi escolhida pelo Governo angolano para construir, por mais de 25 milhões de euros, instalações de saúde afetas aos serviços da Presidência da República, segundo um despacho presidencial consultado esta quinta-feira pela Lusa.

De acordo com o documento, de 07 de janeiro, o chefe de Estado, João Lourenço, autorizou a despesa e a abertura do procedimento de contratação simplificada para a empreitada, entregue à Mota-Engil por 9.173 milhões de kwanzas (25,6 milhões de euros).

Ao mesmo contrato, que visa a “construção das instalações dos serviços de saúde da Presidência da República”, em Luanda, somam-se 366 milhões de kwanzas (um milhão de euros) para os respetivos serviços de fiscalização, pela DAR Angola.

“O ministro das Finanças deve assegurar a disponibilização de recursos financeiros necessários à execução dos contratos”, lê-se no mesmo despacho, assinado pelo Presidente angolano e que não adianta mais pormenores sobre a obra, cuja gestão fica entregue ao Gabinete de Obras Especiais do Governo angolano.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Mota-Engil ganha obras de mais de 25 milhões em Angola