Empresas

Mota-Engil quase duplica valor da oferta pública de subscrição de obrigações

Mota-Engil (Mario Proenca/Bloomberg)
Mota-Engil (Mario Proenca/Bloomberg)

A oferta pública de subscrição da Mota Engil, destinada a investidores de retalho, começou na segunda-feira passada.

A Mota-Engil anunciou hoje que decidiu aumentar o valor da oferta pública de subscrição de obrigações em curso para os 140 milhões de euros, quase o dobro do anunciado aquando do lançamento da operação.

O prazo para a subscrição termina no final desta semana.

“Informa-se que a Mota-Engil decidiu, em 18 de outubro de 2019, aumentar o número máximo de obrigações representativas do empréstimo obrigacionista (…) para 280.000 (duzentas e oitenta mil) obrigações e, por conseguinte, aumentar o respetivo valor nominal global para até 140.000.000 euros (cento e quarenta milhões de euros)”, refere a empresa hoje em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A oferta pública de subscrição da Mota Engil, destinada a investidores de retalho, começou na segunda-feira passada, mas o valor da emissão podia ser revisto até 23 de outubro, tendo a empresa decidido passá-lo de 75 para 140 milhões de euros.

Estas obrigações têm uma taxa fixa de 4,375% e maturidade em outubro de 2024.

Aquando do anúncio da operação, a 10 de outubro, a construtora indicou que cada nova obrigação será reembolsada em duas prestações: em 30 de outubro de 2023 e em 30 de outubro de 2024.

A Mota-Engil anunciou também na ocasião o lançamento de duas ofertas públicas de troca (OPT) de obrigações relativas a títulos emitidos pela construtora em 03 de julho de 2015 (num total de 65,94 milhões de euros) e em junho de 2018 (num total de 25 milhões de euros).

As obrigações emitidas pela Mota-Engil em 03 de julho de 2015 pagam uma taxa de juro fixa bruta de 3,90% e vão atingir a maturidade em 03 de fevereiro de 2020.

Já as obrigações emitidas em 21 de junho de 2018 pagam uma taxa de juro variável indexada à Euribor a 6 meses acrescida de uma margem de 3,50% e atingem maturidade em 21 de junho de 2021.

Estas operações de troca permitirão aos detentores de títulos já emitidos pela Mota-Engil subscrever as novas obrigações, através da entrega das anteriores.

As duas OPT e a Oferta Pública de Subscrição (OPS) destinam-se a investidores profissionais, investidores não profissionais e contrapartes elegíveis.

Por cada obrigação Mota-Engil 2020, “a contrapartida oferecida no âmbito da respetiva Oferta Pública de Troca corresponde, sujeita a impostos, comissões e outros encargos, a uma obrigação Mota-Engil 2024 com o valor nominal unitário de 500 euros e um prémio em numerário no valor de 5,04 euros”, informou a construtora.

Já para cada obrigação Mota-Engil 2021, a contrapartida corresponde a 20 obrigações Mota-Engil 2024 com o valor nominal unitário de 500 euros e um prémio em numerário no valor de 169 euros.

Todas as ofertas terminam na sexta-feira.

A Mota-Engil adianta que, com as ofertas, “visa obter fundos para financiar a sua atividade corrente e de expansão internacional, bem como dar prosseguimento à estratégia de alongamento de maturidade da sua dívida, de modo a alinhá-la melhor com a geração de ‘cash-flow'”.

O objetivo é também “substituir parte da dívida com vencimento em 2020 e em 2021 por dívida com reembolsos de capital em 2023 e 2024”.

A Mota-Engil refere que os resultados das OPT, quer para o segmento geral quer para o segmento profissional, serão apurados em sessão especial de mercado regulamentado pela Euronext, prevista para 28 de outubro pelas 17:00.

Os bancos responsáveis pelas operações são o Banco Finantia, o CaixaBI, o Haitong Bank, e o Novo Banco.

As ações da Mota Engil seguiam a negociar pelas 12:00 na Euronext Lisbon em alta de 2,63% para 1,99 euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Mota-Engil quase duplica valor da oferta pública de subscrição de obrigações