porto

Moura. Os jesuítas da Confeitaria chegaram à Baixa do Porto

Confeitaria Moura.
(Foto: Lisa Soares)
Confeitaria Moura. (Foto: Lisa Soares)

Com 125 anos de história, esta pastelaria aproveitou a nova loja, reinventou-se, e entrou nas vendas online

A Confeitaria Moura comemorou, em junho, os seus 125 anos. E a família – é já a quinta geração que está à frente dos destinos da empresa – decidiu que este era o momento de iniciar a expansão da marca.

João Pelayo, gestor especialista em consultoria financeira, foi nomeado o responsável por delinear a estratégia de expansão. “Ao longo dos anos fomos percebendo que havia muitos clientes que iam do Porto a Santo Tirso de propósito para comprar pastelaria da Confeitaria Moura e os pedidos para a abertura de uma loja eram constantes. Com o desenvolvimento que a baixa do Porto tem tido, quer a nível turístico quer de restauração, decidimos que este era o momento certo para abrir aqui um espaço”, explicou o jovem ao Dinheiro Vivo.

E a loja tem sido um sucesso, embora seja pouco conhecida dos turistas. A solução foi estabelecer parcerias com alguns operadores turísticos que incluem uma visita à Confeitaria Moura nos seus roteiros, explicando o caráter singular da sua produção. É que mais de uma centena de anos depois, o segredo dos jesuítas e outros pastéis de massa folhada da Confeitaria Moura continua restrito à família. E, apenas, aos elementos que têm ligação direta à produção. “Três vezes por semana temos recebido visitas de grupos norte-americanos, que primeiro provam os pastéis, e depois ouvem a história da empresa e, por fim, são levados a ver a zona de produção. É um sucesso brutal”, explica o gestor.

Os portuenses já há alguns anos que podiam comprar os afamados doces da Confeitaria Moura no Mercado do Bom Sucesso, onde a empresa havia instalado um pequeno quiosque, mas a nova loja na baixa do Porto, na Rua Rodrigues Sampaio, a dois passos da Avenida dos Aliados, é a primeira com produção própria fora da casa-mãe.

O espaço é pequeno – 53 lugares apenas -, mas João Pelayo está a apostar fortemente no digital, com um modelo de encomendas online, com “uma política muito user friendly e muito dinâmica” e que está a ter “resultados muito positivos”. O investimento total associado à nova loja é de 70 mil euros, uma vez que o espaço é alugado.

Na casa-mãe, em Santo Tirso, são produzidos, diariamente, 1400 jesuítas por dia. Fora todos os outros pastéis de massa folhada, como os tambores, tirsenses ou os pastéis de Santa Clara. No Porto estão a ser feitos, em média, 550 por dia, mas os meses de julho e agosto são os piores, garante, a par de janeiro.

Quanto aos próximos passos da expansão da marca, João Pelayo admite que o caminho pode passar pela abertura de lojas em cidades como Braga, Guimarães, Aveiro ou Lisboa, mas garante que, para já, “há que estudar, muito bem, o mercado e a sustentabilidade da marca”, porque os passos terão de ser dados sempre “com muita ponderação”. O franchising está totalmente fora de hipótese: “A massa folhada e as técnicas envolvidas na sua produção são o essencial dos produtos da Confeitaria Moura. Queremos manter a qualidade do produto e os clientes satisfeitos.”

São três os pasteleiros responsáveis pela produção no Porto, dois dos quais da família. Jorge Dias não sabe o segredo dos jesuítas e, por isso, nunca está na fase inicial de produção.

João e Rita Moura são primos. Ela é fisioterapeuta, mas há quatro anos que está sem emprego e aceitou o desafio de ir para o balcão do quiosque no Mercado do Bom Sucesso. Agora, está na cozinha da nova loja e adora. “Sinto-me melhor na cozinha do que numa clínica”, garante. Tem a seu cargo os cremes, tal como a sua avó fazia, enquanto o João faz os jesuítas, algo que já o seu avô fazia. “Está-nos no sangue”, sublinha. Além dos pastéis, a Moura serve menus de pequeno-almoço e de almoço, com sopa, folhados ou sandes. A partir de setembro, aos sábados, entre as 11h30 e as 15h30, vai ser possível provar o menu brunch.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página Inicial

Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, com responsáveis da VW na apresentação do T-Roc. Fotografia: DR

Caldeira Cabral confiante em acordo com trabalhadores da Autoeuropa

Fátima Barros, presidente da Anacom
Fotografia: Álvaro Isidoro / Global Imagens

Operadores dificultam rescisões de contratos e Anacom divulga alternativas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Moura. Os jesuítas da Confeitaria chegaram à Baixa do Porto