Multas JM. "O consumidor tem a astúcia necessária para saber se está ou não a ser enganado"

O ano passado a cadeia foi multada pelos reguladores da concorrência na Polónia e Portugal por práticas enganadores de preços, abuso de posição junto dos fornecedores e combinação de preços com fornecedores.

"O consumidor tem a astúcia necessária para saber se está ou não a ser enganado", diz Pedro Soares dos Santos, CEO da Jerónimo Martins, garantindo que o grupo dono do Pingo Doce e da Biedronka está confiante que os tribunais vão dar razão ao retalhista nos processos levantados pelas autoridades de concorrência na Polónia e em Portugal contra o grupo.

"Tanto em Portugal como na Polónia resolveram multar a companhia, vamos recorrer aos tribunais que são o lugar certo para se discutir estes assuntos", diz o gestor, num encontro digital com jornalistas depois da apresentação de contas de 2020.

Em Portugal, a Autoridade da Concorrência multou em dezembro o Pingo Doce em 91 milhões, depois de ter considerado que o grupo combinou preços com à Sociedade Central Cervejas, a dona da Sagres, e a distribuidora de bebidas alcoólicas PrimeDrinks, prejudicando com isso os consumidores.

E na Polónia, o regulador multou igualmente no final do ano passado a Biedronka em mais de 160 milhões de euros por alegado abuso de poder negocial em relações comerciais com fornecedores. Em agosto, a cadeia já tinha sido multada em 26 milhões de euros, por práticas enganadoras nos preços.

"O consumidor polaco é astuto e inteligente, tal como o português. Sabem procurar as melhores oportunidades e não acredito que duas empresas que são líderes, quer em Portugal, quer na Polónia possam a andar a enganar os clientes, possam não transmitir corretamente o que andam a fazer, porque o consumidor tem a astúcia necessária para saber se está ou não a ser enganado", diz.

"Estou muito confiante que os nossos argumentos vão ser validados em Tribunal, quer na Polónia, quer em Portugal, em relação a estes assuntos", garante o CEO.

"Não violamos a Lei quer em Portugal, quer na Polónia", reforça.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de