Despedimentos

Maior empresa de limpezas do mundo corta 100.000 empregos

D.R.
D.R.

A maior empresa de gestão predial e limpeza do mundo vai cortar 100 mil postos de trabalho. Emprega 7500 pessoas em Portugal.

A multinacional dinamarquesa ISS, com operações de gestão de edifícios em mais de 70 países, vai eliminar mais de 100 mil postos de trabalho, cortando um quinto do seu pessoal, avança a Bloomberg esta segunda-feira. A empresa está de saída de 13 mercados na Ásia, na América, no Médio Oriente e no Leste Europeu.

Portugal, onde a ISS emprega mais de 7500 pessoas, com atividade em todo o continente e ilhas, não está incluído na lista de operações a eliminar. Os países afetados são Tailândia, Filipinas, Malásia, Brunei, Brasil, Chile, Israel, Estónia, República Checa, Hungria, Eslováquia, Eslovénia e Roménia.

Com a redução na presença global daquela que é a maior empresa de administração predial do mundo, o número de trabalhadores será reduzido para perto de 390 mil.

Com a retirada, a ISS espera encaixar um valor líquido de 2,5 mil milhões de coroas dinamarquesas (cerca de 335 milhões de euros no câmbio atual). Um quarto deste resultado será distribuído pelos acionistas, escreve a Bloomberg.

A ISS, uma das principais empregadoras na Europa, decidiu sair de vários países depois de os títulos da empresa terem caído perto de 18% em bolsa este ano por influência da ação de investidores especulativos, descreve a agência. A ISS está cotada em Copenhaga.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Maior empresa de limpezas do mundo corta 100.000 empregos