transportes

Mais de 50% dos clientes da mytaxi em Lisboa são estrangeiros

Fotografia: Direitos Reservados
Fotografia: Direitos Reservados

Cada vez mais táxis são chamados por app de telemóvel, especialmente por estrangeiros.

A mytaxi, aplicação que liga passageiros e taxistas, aumentou em cerca de 170% as receitas brutas do transporte de clientes que não estão no seu país de origem, na primeira metade deste ano. O serviço foi lançado este ano em mais sete cidades europeias: Nottingham, Brighton, Manchester, Edimburgo, Katowice, Poznan e Porto. A empresa diz que vai introduzir o serviço em mais cidades nas próximas semanas, reforçando assim a sua internacionalização.

Já há várias cidades europeias onde mais de 50% de todos os passageiros da mytaxi são estrangeiros. É o caso de Estocolmo, Viena, Roma, Barcelona e Lisboa. Na capital portuguesa, os passageiros alemães, espanhóis, ingleses, irlandeses e italianos são os clientes estrangeiros mais frequentes, independentemente de serem turistas, profissionais ou residentes vindos de outras nações.

mytaximapahd

Por sua vez, os utilizadores portugueses do mytaxi fora de Portugal utilizaram mais a aplicação na Espanha (onde 45% a usaram), Itália (19%), Alemanha (18%) e Irlanda (10%). As cidades onde os portugueses mais usaram este serviço foram Barcelona, Madrid, Roma, Dublin, Sevilha e Berlim.

Fundada em junho de 2009, a mytaxi foi a primeira aplicação de táxi do mundo a estabelecer uma ligação direta entre um passageiro e um motorista de táxi. Com mais de 10 milhões de passageiros e 100.000 motoristas, e presente em nove mercados europeus e mais de 150 cidades, a mytaxi é a aplicação de táxi e-hailing (pedido de táxis ou equivalentes de forma eletrónica) líder na Europa. Foi adquirida em setembro de 2015 pela Daimler Mobility Services GmbH (parte do Grupo Daimler). Está disponível em mais de 150 cidades europeias.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Não conseguiu validar as faturas para o IRS? Contribuintes têm mais um dia

O ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação das obras de arte da coleção BPN, agora integradas na Coleção do Estado, no Forte de Sacavém. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Fundo de Resolução já pagou em juros 530 milhões ao Estado e 90 milhões a bancos

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Venda do Novo Banco é “um não-assunto” para o Fundo de Resolução

Mais de 50% dos clientes da mytaxi em Lisboa são estrangeiros