transportes

Mytaxi: ‘Lei da Uber’ coloca táxis em desvantagem perante plataformas

Pedro Pinto, diretor-geral da Mytaxi em Portugal. Fotografia: Gustavo Bom / Global Imagens
Pedro Pinto, diretor-geral da Mytaxi em Portugal. Fotografia: Gustavo Bom / Global Imagens

A 'Lei da Uber' vai regulamentar a atividade de plataformas de transporte como a Uber e a Cabify. A Mytaxi diz estar do lado do setor dos táxis.

A empresa ‘mytaxi’, uma plataforma eletrónica para reserva de serviço de táxi, manifestou-se esta quarta-feira “desapontada” com a promulgação da lei que regulamenta a atividade de empresas como a Uber e a Cabify, que acusa de criar uma desigualdade.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou na terça-feira o diploma que vai regular as plataformas eletrónicas de transporte como a Uber e a Cabify, após as alterações feitas pelo parlamento.

A ‘mytaxi’, empresa líder europeia em serviços digitais de reserva de táxis, manifestou-se desapontada perante a promulgação da lei das plataformas eletrónicas de transporte em veículos descaracterizados, considerando ser demasiado desigual face à regulamentação existente para o setor do táxi, mantendo-o em clara desvantagem perante as plataformas TVDE”, reagiu esta quarta-feira a empresa de reservas eletrónicas do serviço de táxi, num comunicado divulgado também esta quarta-feira.

Na sequência da promulgação, a Uber e a Cabify, duas plataformas abrangidas pelo diploma, consideraram que a promulgação da lei que regula atividade do Transporte em Veículos Descaracterizados a partir da Plataforma Eletrónica (TVDE) é um passo importante na mobilidade de Portugal.

Já as associações representativas dos taxistas manifestaram o seu descontentamento, defendendo que o diploma deveria ter sido remetido para o Tribunal Constitucional.

“Apesar de ter vindo a defender sempre a importância de regulamentar a atividade das plataformas TVDE, enquanto medida imperativa para restabelecer de forma justa o princípio de concorrência leal e legal e como forma de clarificar a mobilidade urbana em Portugal, a ‘mytaxi’ assume-se solidária com o descontentamento mostrado pelos profissionais do setor perante a aprovação de uma lei que, com regras demasiado flexíveis, irão contribuir para uma maior disparidade entre os profissionais”, refere o comunicado da ‘mytaxi’.

No comunicado, a empresa sublinha que, “enquanto aplicação que trabalha diretamente com a indústria do táxi, a ‘mytaxi’ vai continuar a defender e a apoiar os profissionais do setor” e entende que este é o momento para “para concretizar uma efetiva atualização da regulamentação aplicável ao setor do táxi, de modo a torná-lo mais competitivo e com maiores benefícios, tanto para passageiros como para motoristas/empresários”.

O parlamento aprovou, a 12 de julho, uma segunda versão da lei – após o veto presidencial – para as plataformas eletrónicas de transporte, com os votos a favor do PS, PSD e PAN, e com os votos contra do BE, PCP e Os Verdes. O CDS-PP foi a única bancada parlamentar a abster-se na votação do diploma.

Por proposta do PS, o diploma contempla a hipótese de as empresas com atividade de transporte em táxi desenvolverem a atividade de TVDE (Transporte em Veículo Descaracterizado a partir da Plataforma Eletrónica), desde que em veículos não licenciados como táxis.

No âmbito da reapreciação do diploma, solicitada pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, – que tinha vetado a primeira versão da lei – PS e PSD apresentaram propostas para que as plataformas eletrónicas paguem uma taxa de 5% sobre a margem de intermediação, quando tinha sido inicialmente aprovada pelo parlamento uma taxa entre 0,1% e 2%.

Estas foram as duas principais alterações ao diploma aprovado pelo parlamento em março e vetado pelo Presidente da República em 29 de abril.

Numa nota divulgada nesse dia no portal da Presidência da República na Internet, o chefe de Estado pedia ao parlamento que fosse “mais longe” na procura de um “equilíbrio no tratamento de operadores de transportes”, regulando o transporte em veículo descaracterizado a partir de plataforma eletrónica “em simultâneo com a modernização da regulação dos táxis”.

Ainda de acordo com a proposta do PS, apresentada a 12 de julho, o apuramento da taxa a pagar por cada operador de TVDE será feito mensalmente, tendo por base as taxas de intermediação cobradas em cada um dos serviços prestados no mês anterior.

Segundo a proposta então aprovada e o diploma agora promulgado, as auditorias para verificar a conformidade das plataformas que operam em Portugal com a legislação nacional e com as regras da concorrência serão da responsabilidade da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes. MÁRIO CRUZ/LUSA

Famílias ficam com um pouco mais de salário ao final do mês

Miguel Almeida, CEO da NOS

Comité de Ética da NOS vai ouvir os administradores envolvidos no Luanda Leaks

O Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, discursa durante a cerimónia de tomada de posse do XXII Governo Constitucional, liderado pelo secretário-geral do Partido Socialista (PS), António Costa, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 26 de outubro de 2019. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: É bem-vindo a Portugal todo o investimento no respeito da legalidade

Mytaxi: ‘Lei da Uber’ coloca táxis em desvantagem perante plataformas