correios

Nacionalização CTT. “Tenho expectativa que maioria do Parlamento vote contra”

Especulação com ações dos CTT cai para metade
Francisco Lacerda, Presidente executivo dos CTT. (Orlando Almeida / Global Imagens)

Propostas do PCP, Bloco e Verdes para o regresso à esfera pública dos CTT vai a votos na quinta-feira no Parlamento

“Tenho expectativa que a maioria do Parlamento vote contra essas iniciativas”, diz Francisco Lacerda, CEO dos CTT sobre as propostas de regresso à esfera pública do operador postal que vão ser votadas amanhã na Assembleia da República.

PC, Bloco de Esquerda e os Verdes estão a propor o regresso da companhia, privatizada em 2013 através de um processo de dispersão em Bolsa, com base no que dizem ser perda de qualidade de serviço postal e o abandono das populações no interior por via do encerramento de estações. Só o ano passado foram 70, tendo a empresa aberto 84 postos de correios com prestadores de serviços.

Lacerda diz o tema tem por base motivos “ideológicos” e “o mais objetivos”. Os motivos ideológicos não quis comentar, quanto aos objetivos, frisa, “não estamos a abandonar as populações”, lembrando que desde a privatização a rede postal tem mais 66 pontos de acesso. “E não temos problemas grandes de distribuição do correio, nem atrasos no atendimento em loja”.

A expectativa do não às propostas amanhã a votos de Lacerda assenta igualmente, diz, no que sobre o assunto tem sido dito pelo primeiro ministro, António Costa. O responsável, recentemente no Parlamento, garantiu que o contrato de concessão é para cumprir (termina no final de 2020).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Nacionalização CTT. “Tenho expectativa que maioria do Parlamento vote contra”