correios

Nacionalização CTT. “Tenho expectativa que maioria do Parlamento vote contra”

Especulação com ações dos CTT cai para metade
Francisco Lacerda, Presidente executivo dos CTT. (Orlando Almeida / Global Imagens)

Propostas do PCP, Bloco e Verdes para o regresso à esfera pública dos CTT vai a votos na quinta-feira no Parlamento

“Tenho expectativa que a maioria do Parlamento vote contra essas iniciativas”, diz Francisco Lacerda, CEO dos CTT sobre as propostas de regresso à esfera pública do operador postal que vão ser votadas amanhã na Assembleia da República.

PC, Bloco de Esquerda e os Verdes estão a propor o regresso da companhia, privatizada em 2013 através de um processo de dispersão em Bolsa, com base no que dizem ser perda de qualidade de serviço postal e o abandono das populações no interior por via do encerramento de estações. Só o ano passado foram 70, tendo a empresa aberto 84 postos de correios com prestadores de serviços.

Lacerda diz o tema tem por base motivos “ideológicos” e “o mais objetivos”. Os motivos ideológicos não quis comentar, quanto aos objetivos, frisa, “não estamos a abandonar as populações”, lembrando que desde a privatização a rede postal tem mais 66 pontos de acesso. “E não temos problemas grandes de distribuição do correio, nem atrasos no atendimento em loja”.

A expectativa do não às propostas amanhã a votos de Lacerda assenta igualmente, diz, no que sobre o assunto tem sido dito pelo primeiro ministro, António Costa. O responsável, recentemente no Parlamento, garantiu que o contrato de concessão é para cumprir (termina no final de 2020).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Economia portuguesa afunda 16,3% entre abril e junho

Visitantes na Festa do Avante.

Avante!: PCP reduz lotação a um terço, só vão entrar até 33 mil pessoas por dia

covid 19 portugal casos coronavirus DGS

Mais 235 infetados e duas mortes por covid-19 em Portugal. Números baixam

Nacionalização CTT. “Tenho expectativa que maioria do Parlamento vote contra”