Madeira

Navigator quer ter mais madeira a partir de Espanha e menos em Portugal

Diogo da Silveira, CEO da The Navigator Company. Fotografia: Global Imagens
Diogo da Silveira, CEO da The Navigator Company. Fotografia: Global Imagens

Nova legislação para a plantação de eucalipto deverá ter impacto no mercado da madeira em 12 anos, argumenta antiga Portucel

A The Navigator Company poderá reforçar a aposta no mercado espanhol e diminuir a presença em território português. Esta poderá ser a resposta da antiga Portucel à nova lei do eucalipto, admitiram os responsáveis do grupo na apresentação dos resultados do primeiro semestre aos analistas.

Segundo o Jornal de Negócios desta sexta-feira, a Navigator está a “olhar para outras fontes de floresta e de madeira fora de Portugal, diferentes das que hoje utiliza”, o que poderá passar pelo estabelecimento de “uma base forte no norte de Espanha, na Galiza”. A empresa acrescenta mesmo que não pretende ter mais área em Portugal, onde gere 100 mil hectares de floresta.

“Poderemos ter mais em Espanha e menos em Portugal. Queremos ter mais em Espanha para diversificar e a produtividade lá também é elevada”, referiu Diogo da Silveira. Sobre a presença em território nacional, o líder da Navigator diz que “deter terra em Portugal é importante porque é uma segurança, uma reserva”.

A nova legislação para o eucalipto, já aprovada na Assembleia da República, permite apenas plantações de novas áreas de eucalipto em troca de plantações já existentes e impõe, ao mesmo tempo, uma redução gradual da área. Esta legislação, argumenta a Navigator, deverá ter impacto no mercado da madeira em 12 anos, pelo que “a empresa precisa de desenvolver desde já várias iniciativas para aumentar a produtividade das atuais áreas de eucalipto”.

No primeiro semestre de 2017, a Navigator apresentou lucros de 96 milhões de euros, um aumento de 12,4% em comparação com o mesmo período de 2016.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Regresso ao trabalho - ilustração

O mundo do trabalho mudou. A saúde é agora lei

José Theotónio, CEO do Grupo Pestana.
(Diana Quintela / Global Imagens)

José Theotónio: “Haverá voos mas não virão logo com turistas para o Algarve”

Fotografia: D.R.

Teletrabalho continua obrigatório para grupos de risco e pais sem escola

Navigator quer ter mais madeira a partir de Espanha e menos em Portugal