aviação

Neeleman tem nova companhia aérea e ganha asas em 2020

David Neeleman, fundador da Azul, participou numa cerimónia de entrega do novo E195-E2 da Azul. Fotografia: REUTERS/Roosevelt Cassio
David Neeleman, fundador da Azul, participou numa cerimónia de entrega do novo E195-E2 da Azul. Fotografia: REUTERS/Roosevelt Cassio

Acionista privado da TAP criou a Moxy, empresa que vai replicar o modelo da Azul, mas desta vez nos Estados Unidos

Ainda tem nome de código – Moxy – mas começa a ganhar asas. David Neeleman tem uma nova companhia aérea nos Estados Unidos da América e, apesar de os primeiros aviões da encomenda de 60 feita à Airbus não chegarem antes de 2021, o empresário que é acionista da TAP, conta começar a operação já no ano que vem.

A intenção foi dada a conhecer esta semana em São José dos Campos, no Brasil, onde o investidor acompanhava uma cerimónia da Azul, onde também é acionista. Neste evento, Neeleman explicou que a Moxy poderá ‘reciclar’ os aviões Embraer E195 que a Azul vai começar a substituir por uma nova geração de aeronaves.

A expectativa é que o investidor privado faça passar 30 aviões da Azul para a Moxy antecipando em um ano o início das operações.

A nova empresa está em lista de espera para receber 60 aviões A220-300 encomendados à fabricante europeia Airbus, um modelo que corresponde ao antigo C-Series desenvolvido pela canadiana Bombardier.

A Moxy é a quinta companhia aérea fundada por David Neeleman, o empresário norte-americano que venceu o processo de privatização da TAP. E, à semelhança do que fez com a Azul, no Brasil, Neeleman quer repetir o modelo regionalista de baixo custo, agora nos Estados Unidos.

“Nos EUA já foi dito que vamos voara em rotas que não terão concorrentes, como a Azul. Aprendemos no Brasil”, disse o empresário, esta sexta-feira, em entrevista ao Estadão, onde deixou em aberto a opção de voos internacionais. “Temos opção de fazer muitas coisas”, destacou o gestor, questionado sobre se esta transportadora iria voar para o Brasil.

David Neeleman assumiu que o tipo de avião é determinante para a operação de qualquer empresa. E lembrou que “o A220 é uma aeronave de baixo custo que pode voar até nove horas”.

O empresário deu ainda nota de que a Aigle Azur, empresa que anunciou repentinamente o fecho de operações a 7 de setembro – e onde também era acionista – “não tinha razão para existir”. O gestor disse ainda que “não estava envolvido” nesta empresa e que a sua entrada foi a pedido da HNA, consórcio chinês que também já deteve capital da Azul e, por via indireta, na TAP.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno ladeado pelos representantes dos dois maiores credores de Portugal: Pierre Moscovici (Comissão) e Klaus Regling (ESM). Fotografia: EPA/JULIEN WARNAND

Centeno usa verbas da almofada de segurança para pagar aos credores europeus

Paulo Fernandes lidera o grupo Cofina. (Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Foto: Arquivo

Cofina quer TVI sem remédios

Paulo Fernandes lidera o grupo Cofina. (Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Foto: Arquivo

Cofina quer TVI sem remédios

Outros conteúdos GMG
Neeleman tem nova companhia aérea e ganha asas em 2020