Automóvel

Nissan chama 150 mil carros à oficina

A Nissan tem enfrentado, ao longo do ano, um conjunto de adversidades. Fotografia: José Luis Gonzalez/Reuters
A Nissan tem enfrentado, ao longo do ano, um conjunto de adversidades. Fotografia: José Luis Gonzalez/Reuters

A Nissan está a viver uma fase difícil. A fabricante foi atingida nos últimos meses por um escândalo relacionado com a inspeção dos seus carros

A Nissan, atingida nos últimos meses por um escândalo relacionado com a inspeção dos seus veículos no Japão, anunciou ter descoberto novos problemas que obrigam a chamar cerca de 150 mil viaturas à oficina.

Esta é mais uma má notícia para o fabricante nipónico, que está a passar por uma fase difícil, com a prisão, em 19 de novembro, de Carlos Ghosn, demitido da presidência do conselho de administração por suspeita de falsificação de informação financeira.

Ghosn é suspeito de não ter declarado rendimentos no valor de cerca de 38 milhões de euros (cinco milhões de ienes), que terá recebido entre 2011 e 2014.

Segundo a agência nipónica Kyodo, o ex-presidente da Nissan Motor terá também utilizado fundos da empresa japonesa para cobrir perdas de investimentos pessoais no valor de cerca de 13,2 milhões de euros.

No final de setembro, a Nissan adotou medidas para melhorar o processo de inspeção nas suas fábricas, admitindo graves deficiências.

Na altura, a empresa anunciou um investimento de “170 a 180 biliões de ienes nos próximos seis anos” (mais de 1,3 biliões de euros) nas medidas a aplicar.

No outono de 2017, a Nissan foi forçada a suspender temporariamente a produção no Japão e a chamar à oficina mais de um milhão de veículos devido a irregularidades na inspeção final dos seus carros.

Já este ano, no verão, a empresa deu conta da falsificação de valores nos testes para medir o consumo de combustível e as emissões de gases poluentes.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
( Gustavo Bom / Global Imagens )

Juros do crédito à habitação em máximos de dois anos e meio

( Gustavo Bom / Global Imagens )

Juros do crédito à habitação em máximos de dois anos e meio

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, à chegada para a audição na Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade na Assembleia da República, Lisboa, 07 de fevereiro de 2019. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira aconselhado a não vir a Lisboa devido a estudo polémico

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Nissan chama 150 mil carros à oficina