Nissan

Nissan: Governo não pode criar benefícios fiscais para fixar a empresa

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais disse hoje, a propósito da suspensão do investimento da Nissan em Aveiro, que o acordo assinado com a ‘troika’ impede a atribuição de novos benefícios fiscais como contrapartida para a manutenção do projecto.

“O acordo assinado entre o Estado português e a ‘troika’ impede expressamente novos benefícios fiscais ou o alargamento dos existentes”, disse aos jornalistas Paulo Núncio à margem de uma conferência da Deloitte, em Lisboa, quando questionado sobre se o Governo estará a ponderar avançar com incentivos de modo a negociar com a empresa a continuação do projecto que iria criar cerca de 200 postos de trabalho em Aveiro.

“Não é possível criar benefícios fiscais para os fins que referiu”, acrescentou Paulo Núncio.

A Nissan vai suspender a fábrica de baterias que deveria começar a laborar no início do próximo ano, disse na segunda-feira à Lusa o porta-voz da empresa, António Pereira-Joaquim.

A administração da aliança Renault-Nissan “decidiu suspender a fábrica de baterias elétricas em Portugal porque, após análise detalhada do plano de negócios, chegou à conclusão de que as quatro fábricas espalhadas por todo o mundo seriam suficientes”, justificou.

Já quanto às contrapartidas acordadas entre o anterior Governo, que negociou o investimento, e a empresa japonesa, o secretário de Estado preferiu não comentar.

O governante disse que o esforço do Executivo para atrair qualquer tipo de investimento externo terá de passar pelo Ministério da Economia, através de políticas de melhoria da competitividade económica do país.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
boris johnson brexit

Brexit: Um acordo que responde “às circunstâncias únicas da Irlanda”

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Outros conteúdos GMG
Nissan: Governo não pode criar benefícios fiscais para fixar a empresa