Futebol

No Mundial da Rússia já há um ‘vencedor’: a Adidas

(AFP PHOTO / Adidas / Arsen Galstyan)
(AFP PHOTO / Adidas / Arsen Galstyan)

A Adidas vai equipar 12 equipas no Mundial 2018, superando a sua rival Nike que apenas veste 10 seleções.

O Mundial 2018 ainda não começou mas já há vencedores. E não, não estamos a falar de países. A Adidas lidera o Mundial com o patrocínio de 12 equipamentos, deixando para trás a rival Nike, que este ano vê o seu logo no peito de apenas 10 países, avança a Reuters esta quarta-feira.

Depois de a Nike ter equipado mais seleções pela primeira vez, no Brasil há quatro anos, a Adidas respondeu com o patrocínio de 12 das 32 equipas participantes, das quais a Alemanha, a Espanha e a Rússia. Este ano, a marca americana ‘perdeu’ a liderança, patrocinando apenas 10 equipamentos, incluindo Portugal, Brasil, França ou Inglaterra.

No entanto, o CEO da Adidas, Kasper Rorsted, não mostra grandes expectativas em relação ao impacto financeiro que o patrocínio terá este ano. “O Mundial de Futebol na Rússia comporta menos oportunidades financeiras que há quatro anos no Brasil”, afirmou. Em causa está o período de estagnação que a economia russa atravessa atualmente.

Apesar de o futebol permanecer como imagem de marca para a Adidas, desde o Mundial 2014, no Brasil, que as vendas cresceram a ritmo acelerado em áreas para além do ‘desporto-rei’.

Mas não só de equipamentos se faz o Mundial. Também as chuteiras têm um papel importante nos jogos. A Nike espera que 60% dos jogadores usem as suas botas, incluindo metade das equipas alemã e espanhola e 75% da equipa russa.

De fora ficam os iranianos. A marca americana confirmou à Reuters que nenhum dos jogadores da equipa vai usar Nike, depois da decisão de Donald Trump em ‘rasgar’ o acordo nuclear com o Irão.

Analistas afirmam que o Mundial 2018 pode fazer subir as receitas do grupo Adidas em 3 ou 4%, menos do que aconteceu em campeonatos anteriores, contudo estas alterações vão depender do progresso das várias equipas ao longo da competição.

A Adidas é um dos patrocinadores oficiais do Mundial 2018 e já o faz desde 1970. A marca já afirmou que vai manter o patrocínio até 2030 e que vai alargar a parceria com a Liga dos Campeões até 2021.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
No Mundial da Rússia já há um ‘vencedor’: a Adidas