NOS aumenta lucros 17,8% para 74,7 milhões em 2014

Miguel Almeida, CEO da NOS
Miguel Almeida, CEO da NOS

A NOS fechou o ano passado com lucros de 74,7 milhões de euros, valor que representa uma subida de 17,8% em relação ao ano anterior e acima das média dos analistas que apontavam para lucros na ordem dos 69 milhões.

Um crescimento no resultado líquido apesar da quebra de 3% nas receitas operacionais, para 1,4 mil mil milhões de euros.

No último trimestre a operadora liderada por Miguel Almeida registou lucros de 12,3 milhões, valor que compara positivamente em relação aos prejuízos de 13,1 milhões registados em período homólogo do ano anterior. As receitas caíram ligeiramente (-0,7%), para 353,8 milhões de euros.

A NOS destaca o último trimestre ao nível de serviços vendidos. De acordo com os dados da operadora, no período a operadora registou 365,5 mil novos serviços, atingindo 1,853 milhões de serviços convergentes.

A empresa viu subir 12,3% no período o número de clientes móveis, para 3,643 milhões. Só no último trimestre registou 107,4 mil novos subscritores. Os clientes pós-pagos mais do que duplicou (56,4%) fixaram-se nos 1,552 milhões, impulsionados pela adesão a ofertas convergentes.

Também na televisão houve uma melhoria do desempenho. Pela primeira vez desde 2012 a empresa viu subir no último trimestre do ano o número de novos clientes: 7,1 mil. Embora no acumulado do ano terem perdido mais de 40 mil clientes de TV.

A Íris registou 256 mil novas adesões, elevando para 693,6 mil o número de clientes com esta plataforma. A empresa tem vindo a investir na penetração da sua rede fibra, tendo aumentado em 70 mil o número de casas com acesso, aumentando a cobertura 2,6%, para 3,326 milhões.

Banda larga fixa e telefone fixo também registaram crescimento ao nível de adesões, subindo 7,7% para os 993 mil subscritores e 0,9%, atingindo 1,477 milhões, respetivamente.

A receita média por cliente (ARPU) no residencial aumentou 9,8%, para 39,8 euros.

No segmento empresarial, o número de serviços aumentou 8,4% para 1,065 milhões, com a TV a subir 24%, para 85,4 mil, a banda larga fixa a crescer 19,8% para 109,2 mil e os serviços móveis a subir 6,7% para 668,9 mil. A empresa destaca ainda ganhos ao nível de clientes corporativos, cujo impacto se irá fazer sentido nas contas de 2015.

Nos audiovisuais e cinemas, a receita média por bilhete situou-se nos 4,7 euros, com o número de bilhetes vendidos a cair 7,9% para 7.277,5 milhões, apesar da melhoria de 6,8% no último trimestre face ao trimestre homólogo de 2013.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Indústria do calçado. 
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal regressou ao Top 20 dos maiores produtores de calçado

Mina de carvão perto da cidade de Oaktown, Indiana, Estados Unidos. (EPA/TANNEN MAURY)

Capacidade de produção de carvão caiu pela primeira vez

(EPA/RITCHIE B. TONGO)

Microsoft mantém discussões para compra da filial da TikTok nos EUA

NOS aumenta lucros 17,8% para 74,7 milhões em 2014