Telecomunicações

NOS lidera na TV, mas Meo e Vodafone ganham quota

Televisão

Fibra faz crescer o número de clientes de televisão paga. Até junho há mais de 100 mil portugueses com televisão por subscrição do que há um ano

O número de portugueses com televisão por subscrição cresceu até junho para cerca de 4 milhões de assinantes, mais 132 mil (+3,4%) do que em relação ao primeiro semestre do ano passado. A NOS mantém a liderança em termos de quota, mas está a perder, com a Meo e a Vodafone a serem os únicos operadores a ganhar quota.

“O crescimento do serviço de TV por subscrição deveu-se às ofertas suportadas em fibra ótica (FTTH), que registaram mais 298 mil assinantes em relação ao primeiro semestre de 2018, refletindo um crescimento de 20,2%, para cerca de 1,8 milhões de clientes”, informa a Anacom.

 

InfografiaTVS1semestre2019Neste semestre, a fibra continuou a ser a principal forma de acesso a este serviço (44,4% do total de assinantes), seguida da televisão por cabo (33,2%), da tecnologia Direct To Home – DTH (12%) e do ADSL (10,4%).

O grupo NOS lidera ao nível de quota, com 40,5%, seguido da Meo (39,6%), a Vodafone (15,8%) e Nowo (4%). “A Meo e a Vodafone foram os prestadores que, em termos líquidos, mais assinantes captaram face ao primeiro semestre de 2018, tendo as suas quotas aumentado 0,7 e 1,1 pontos percentuais, respetivamente. Por outro lado, diminuíram as quotas do grupo NOS (-1,4 p.p.) e da Nowo (-0,4 p.p.)”, refere o regulador no relatório.

Neste momento, apenas 0,9 pontos percentuais separam a Meo da NOS ao nível de quota de mercado da televisão por subscrição. A operadora detida pela Altice Portugal tem como objetivo obter a liderança neste segmento, tendo a companhia liderada por Alexandre Fonseca colocado para final de 2019, início do próximo ano, como data para atingir esse objetivo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Portugal entre os países europeus que ficaram mais desiguais

Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Portugal entre os países europeus que ficaram mais desiguais

Angel Gurria, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Mario Guzmán

OCDE mais pessimista. Sinais vermelhos para a economia

Outros conteúdos GMG
NOS lidera na TV, mas Meo e Vodafone ganham quota