retalho

Nova presidente do El Corte Inglés aposta no digital e em marcas próprias

Marta Álvarez, presidente do El Corte Inglés
Marta Álvarez, presidente do El Corte Inglés

Marta Álvarez Guil vai lançar novas marcas de roupa em 2020 e pretende que metade dos cargos de chefia sejam atribuídos a mulheres.

A nova presidente do El Corte Inglés, Marta Álvarez Guil, acredita que o futuro da empresa passa pela aposta no digital e nas marcas próprias. O anúncio foi feito durante a sua primeira assembleia-geral de acionistas, escreve o El País. “Temos futuro e impulso para continuar a definir tendências”, disse.

Numa altura em que a empresa cumpre 80 anos e é uma “companhia sistémica para a economia espanhola, um gerador de riqueza e emprego (90 mil funcionários)”, a responsável salienta que o El Corte Inglés é também “um impulsionador de ideias, capaz de criar conceitos comerciais inovadores, de marcar tendências e está posicionado na vanguarda”.

Nesse sentido, Marta Álvarez Guil apostou no digital. “Não há dois clientes, um digital e um físico, mas um que devemos atender através do canal que decide”. Assim, antes do final do ano, será lançada uma aplicação móvel, que mudará “a forma como comunicamos com os nossos clientes.

Tal como outros gigantes do comércio como a Inditex, o El Corte Inglés está a transformar as suas lojas de departamento para torná-las mais experienciais, para que os seus clientes, além de comprar, “possam aproveitar, divertir-se e experimentar novas experiências e sensações”.

O El Corte Inglés está ainda comprometido com o fortalecimento das suas próprias marcas, processo no qual anunciou o lançamento no próximo ano de dois novos desfiles de roupas femininas: Alik e Another Love. Nesta mesma área, a reorganização realizada no ano passado de toda a oferta feminina de moda da empresa foi agrupada sob a marca Woman, com quatro linhas (Limited, Fiesta, Weekend e Plus).

Mais mulheres no comando
A primeira presidente da cadeia de lojas de departamento em 80 anos de história deu destaque à igualdade. Marta Álvarez Guil reiterou que “pelo menos 50% dos novos postos de comando serão ocupados por mulheres”, um compromisso que está em vigor há anos no seu plano de igualdade e que em 2018 foi superado. Conforme declarado no relatório não financeiro da empresa para o ano encerrado em 28 de fevereiro, 52% das nomeações para chefes de gabinete em qualquer nível já foram para mulheres. No entanto, há um caminho a percorrer: as mulheres representam 5% e 34% dos dois grupos profissionais mais altos do El Corte Inglés, embora, no total, representem 64% da força de trabalho. Além disso, os homens ganham mais em todos os grupos profissionais, resultando numa lacuna salarial de 8,8%, de acordo com a própria empresa.

Na parte de responsabilidade social corporativa, a empresa irá aumentar a oferta de produtos sustentáveis, uma das tendências em alta no retalho e na moda, e que os “sacos de uso único” serão gradualmente eliminados dos estabelecimentos da indústria do grupo, embora não tenha sido dada uma data específica para supressão total. O objetivo é “chegar a zero desperdício em todos os nossos shoppings”.

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Nova presidente do El Corte Inglés aposta no digital e em marcas próprias