Novo Banco pede mais 1,15 mil milhões ao Fundo de Resolução

O banco liderado por António Ramalho teve um prejuízo de 1,4 mil milhões em 2018.

O Novo Banco vai fazer mais uma chamada de capital ao Fundo de Resolução. Depois de ter reportado prejuízo de 1,4 mil milhões de euros em 2018, a instituição liderada por António Ramalho vai solicitar mais 1,15 mil milhões de euros ao Fundo de Resolução.

“Em resultado das perdas das vendas e da redução dos ativos legacy, o Novo Banco irá solicitar uma compensação de 1149M€ ao abrigo do atual Mecanismo de Capital Contingente (CCA). Este montante decorre em 69% das perdas assumidas sobre os ativos incluídos no CCA e 31% devido a requisitos regulatórios de aumento de capital no quadro do ajustamento do período transitório dos rácios de capital e ao impacto do IFRS 9”, refere a instituição financeira num comunicado enviado à CMVM.

O valor que será solicitado pelo banco liderado por António Ramalho é superior ao que o governo deixou de lado no Orçamento do Estado. Foram inscritos 850 milhões para financiar o Fundo de Resolução para que este injecte capital no Novo Banco.

O Novo Banco detalha que "o valor das compensações relativamente a 2017 e 2018 totalizam 1,9 mil milhões de euros que compara com o montante máximo estabelecido no CCA de 3,89 mil milhões de euros". Na conferência de imprensa sobre os resultados, António Ramalho detalhou que 55% das solicitações feitas ao Fundo de Resolução têm a ver com perdas e 45% “com exigências regulatórias de capital”.

Na venda do banco à Lone Star, em outubro de 2017, o fundo americano Lone Star pagou mil milhões de euros pelo Novo Banco. Mas em troca o Fundo de Resolução comprometeu-se, num mecanismo de capital contingente, a fazer pagamentos ao banco liderado por António Ramalho caso houvesse perda num determinado conjunto de ativos que afetasse a capitalização do Novo Banco. O limite máximo dessas injeções de capital é de um total de 3,89 mil milhões.

No ano passado, o Fundo de Resolução disponibilizou 792 milhões de euros ao Novo Banco. Os recursos do Fundo de Resolução deveriam ser disponibilizados pelos bancos. Mas a dimensão das despesas nos últimos anos levou esta entidade a recorrer a empréstimos do Tesouro.

No ano passado, o Estado teve de conceder um empréstimo de 430 milhões de euros para que o Fundo injetasse dinheiro no Novo Banco. Aquando da resolução do BES, houve um empréstimo de 3,9 mil milhões por parte do Tesouro.

Atualizado às 17.15 com mais informação

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de