banca

Novo Banco vende operação na Venezuela

O Novo Banco anunciou hoje que assinou um contrato para a venda da operação na Venezuela à BancaAmiga -- Banco Microfinanciero

O Novo Banco anunciou hoje que assinou um contrato para a venda da operação na Venezuela à BancaAmiga — Banco Microfinanciero, sem revelar o valor, operação que se insere no âmbito da estatégia de desinvestimento de participações internacionais.

“Informamos que o Novo Banco celebrou com a BancaAmiga, Banco Microfinanciero, da Venezuela, um contrato promessa de compra e venda dos ativos e passivos da Sucursal na Venezuela do Novo Banco”, lê-se num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Numa outra nota, o banco liderado por António Ramalho lembra que a sua operação na Venezuela arrancou em 2012, tinha 49 colaboradores e operava no quadro do direito Venezuelano, registando quatro milhões de euros em recursos e 2,2 milhões de euros em crédito.

A venda fica agora dependente de diversas autorizações, nomeadamente do Banco de Portugal e da autoridade reguladora do setor financeiro na Venezuela, e, caso se concretize, o Novo Banco deixará de ter qualquer atividade bancária naquele país.

“Esta transação representa mais um importante passo no processo de desinvestimento de ativos não estratégicos do Novo Banco, prosseguindo este a sua estratégia de foco no negócio bancário doméstico”, refere o comunicado enviado à CMVM.

Na outra nota, o Novo Banco diz ainda que “no quadro da concentração da atividade no mercado doméstico e ibérico”, tem vindo a proceder à alienação de participações internacionais.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Taça Portugal - Benfica vs Sporting

Benfica encaixa 50 milhões. SAD fala em “capacidade acrescida de tesouraria”

A ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva ,à chegada para a reunião da Comissão Permanente de Concertação Social, em Lisboa, 26 de fevereiro de 2020. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Governo mantém todas as restrições na Grande Lisboa por mais 15 dias

Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, (MIGUEL A. LOPES/LUSA)

Governo exige que Bélgica retire Alentejo e Algarve de zonas arriscadas

Novo Banco vende operação na Venezuela