Empresas

“Numa cultura de igualdade há muito menos receio de falhar”

Carla Baltazar, managing director e gender lead da Accenture.

( Jorge Amaral/Global Imagens )
Carla Baltazar, managing director e gender lead da Accenture. ( Jorge Amaral/Global Imagens )

Nas empresas onde existe uma cultura de igualdade, este é um efeito multiplicador para a inovação.

A Accenture tem o objetivo de chegar a 2025 com 50% de mulheres nos quadros da empresa, a nível global. Para já, a empresa conta com 42%. Esta é apenas uma das métricas analisadas pela gender lead da empresa, Carla Baltazar.

“Uma gender lead preocupa-se em analisar a situação em que a empresa e a sociedade estão relativamente à diversidade de género e, partir daí, define um plano e ações que visem colmatar um possível gap que exista entre o espaço das mulheres vs. o espaço dos homens no mercado de trabalho”, explica ao Dinheiro Vivo.

No que diz respeito às preocupações relacionadas com o género, “estamos a falar de três pilares”, conta. “Contratações, retenção e celebrar o sucesso”.

Carla Baltazar acumula a função ao cargo de manager director na Accenture, tal como acontece com outros outros colegas que juntos formam um comité que endereça preocupações com a diversidade de culturas, a comunidade LGBTI ou a diferença geracional.

“Em empresas onde existe uma cultura de igualdade, este é um fator multiplicador para a inovação”, afirma a gender lead, citando a principal conclusão do estudo “Getting to Equal” promovido pela Accenture. “Chega a ser seis vezes superior nesta componente. Se reforçarmos a igualdade com a diversidade, a inovação chega a ter um fator multiplicador de 11 vezes”.

A razão? “Nas empresas com uma cultura de igualdade há muito menos receio de falhar”, defende Carla Baltazar. “Os colaboradores ao terem a perceção de que têm liberdade para falar de qualquer tema, de que são tratados por igual independentemente das suas circunstâncias, faz com que consigam ter muito mais confiança a fazer o seu trabalho, são muito mais o seu verdadeiro eu, muito menos controlados a nível dos seus pensamentos, das suas ações e têm um mindset muito mais livre. Acabam por dar muito mais de si à empresa e ter muito menos barreiras”. Além disso, a responsável afirma que falhar faz parte do sucesso desde que se saiba corrigir rapidamente.

“Muitas vezes quando temos medo de falhar é quando temos medo de inovar, por isso é que é tão importante não ter medo de falhar”, aponta.

Sobre as empresas portuguesas, Carla Baltazar acredita que está a ser feito um caminho. “Acho que houve um período inicial em que se teve de despertar para o tema e agora já estamos numa fase onde o tema já está mais desperto”. A gender lead pensa que as empresas “estão ativamente à procura desta igualdade e têm a noção de que têm todos a beneficiar com ela. A partir do momento em que temos uma população de homens e uma de mulheres e só temos um target, não estamos a olhar para o que é um potencial de todo o spectrum que teríamos disponíveis”.

“É um pouco este mindset: eu quero ir buscar o melhor talento que houver onde ele estiver, independentemente do género, tal como independentemente da etnia ou da idade”, remata Carla Baltazar.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
apple one

Apple One junta vários serviços, chega a Portugal mas com limitações. O que tem

A  90ª edição da Micam, a feira de calçado de Milão, está agendada para os dias 20 a 23 de setembro, com medidas de segurança reforçadas. Fotografia DR

Calçado. Micam arranca este domingo e até há uma nova marca presente

Os ministros da Presidência do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva (C), Economia, Pedro Sia Vieira (E) e do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D). MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Portugal é o quarto país da UE onde é mais difícil descolar do mínimo

“Numa cultura de igualdade há muito menos receio de falhar”