Tecnologia

O Facebook já não é a rede social preferida dos jovens

Fotografia: EPA/DIEGO AZUBEL
Fotografia: EPA/DIEGO AZUBEL

Menos utilizadores, menos horas na plataforma e menos jovens interessados. O Facebook está a perder a popularidade nos Estados Unidos e na Europa.

A rede social criada por Mark Zuckerberg está a perder adeptos nas camadas mais jovens. Um estudo realizado pela empresa eMarketer revela que em 2018, pela primeira vez, menos de metade dos norte-americanos com acesso à internet, entre os 12 e os 17 anos, vão utilizar o Facebook.

A participação da faixa etária entre os 18 e 24 anos irá diminuir 5,8% e a empresa deverá perder, em 2018, perto de dois milhões de utilizadores com menos de 25 anos, avança o portal Quartz.

O Facebook já tinha adiantado alguns dados, esclarecendo que o número de pessoas que iniciou sessão na rede social, nos Estados Unidos e Canadá, caiu pela primeira vez, de 700 para 184 milhões. Mark Zuckerberg revelou que o tempo que os utilizadores passam na plataforma diminuiu em 50 milhões de horas diárias.

Leia também: O segredo de uma boa liderança, segundo Mark Zuckerberg

A eMarketer explica que os jovens que estão a sair do Facebook nestas faixas etárias não estão, por um lado, necessariamente a migrar para o Instagram, a plataforma de fotografia que pertence ao Facebook, que deverá crescer em 1,6 milhões de utilizadores. O Snapchat, por outro lado, apresenta uma perspetiva de expansão junto da faixa etária mais baixa, com mais de 1,9 milhões de novos fãs previsto para este ano.

Na Europa, o Facebook também perde popularidade, com um crescimento “desinteressante”, confirma a chefe operacional da rede social, Sheryl Sandberg, que estima que o número de utilizadores em território europeu venha a cair devido às novas políticas de privacidade.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Vista aérea da Praça dos Restauradores em Lisboa, Portugal, 24 Março de 2020. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A economia entrou em estado de quarentena

Lisboa, 10/05/2019 - Vida do Dinheiro (DN-TSF) - Isabel Furtado, presidente da Cotec e da TMG.
Isabel Furtado
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Covid-19: “Medidas têm de ser estratégicas e não apenas imediatas e impulsivas”

Ursula  von der Leyen, presidente da Comissão Europeia. Fotografia: Kenzo Tribouillard/AFP

Comissão Europeia vai rever proposta de orçamento da UE

O Facebook já não é a rede social preferida dos jovens