O presente que a pandemia não roubou: cabazes de Natal resistem

Comprados online ou em loja, cestas de produtos continuam a ter procura. Há empresas que até reforçaram equipas para dar conta das encomendas.

Há uma certeza: o Natal em 2020 será diferente de todos os anteriores. Entre a pandemia e as consequentes limitações que deverão continuar em vigor, muitas tradições de alteraram, incluindo os jantares de empresas, neste ano substituídos por outras lembranças. E se famílias e amigos não podem juntar-se, compensam marcando a ocasião com um miminho: os cabazes de Natal, há vários anos uma opção, parecem resistir num ano em tudo diferente.

"A procura por cabazes está alta. Estamos com uma aposta grande nesses produtos porque são presentes muito compostos e que têm uma diversidade grande e mais hipóteses de agradar. De há uns anos para cá, as pessoas valorizam muito os cabazes com alimentação, que não são só objetos bonitos ou decorativos, mas que podem ser consumidos", começa por explicar ao Dinheiro Vivo Ana Almeida, responsável de comunicação de A Vida Portuguesa.

Todo o comércio de rua em Portugal enfrenta limitações devido à pandemia. Por isso, a responsável reconhece que as vendas em loja não são iguais às de anos anteriores, embora garanta que há procura. Com os portugueses confinados, o online está em crescimento. "O forte da procura destes cabazes tem sido digital. Durante o fim de semana, que é quando as pessoas estão a fazer compras online, temos notado um aumento de procura."

Mas não são só as famílias que procuram este tipo de presente. "Desde sempre fomos procurados por empresas. Normalmente é um bocadinho mais cedo. É de tal forma significativo que costumamos lançar um cabaz empresarial para fazer algumas propostas de brindes e com vários tipos de preços e temáticas", indica. Além disso, e devido à pandemia, muitas empresas acentuaram os seus compromissos de responsabilidade social e, dado que esta marca trabalha com cerca de 600 produtores nacionais, as empresas que compram ajudam toda a cadeia de valor.

"Sempre fizemos uma aposta forte nos cabazes empresariais justamente por causa disso; esperando que as empresas procurassem apoiar os produtos nacionais com os nossos cabazes. Nesta altura, todos os dias surgem novas oportunidades e somos procurados por mais empresas", remata Ana Almeida.

Reforço de pessoal
Na Quinta do Arneiro, quinta de produção biológica, quando os produtos não chegam ao mercado por alguma razão, são transformados. Ali existe uma cozinha onde se transformam os excedentes em iguarias, como compotas e molhos, que nesta altura do ano figuram nos cabazes de Natal. Joana Coelho, responsável de comunicação, assume que as encomendas neste ano estão "a correr melhor em comparação com o ano passado. Temos cerca do dobro das encomendas, comparando com o mesmo período. É muito positivo".

Localizada em Mafra e com capacidade para distribuir por toda a região da Grande Lisboa, a Quinta do Arneiro conta que está a receber encomendas tanto de particulares como de companhias. "Creio que metade das nossas encomendas são para famílias, mas temos também de empresas. Nesta semana sobretudo temos tido muitas empresas."

Joana Coelho não tem ainda números, mas, da perceção que tem e do trabalho que é desenvolvido semanalmente diz que a Quinta sempre teve procura de cabazes ao longo do ano "As pessoas estão mais em casa e querem receber os alimentos em casa. O Natal é um complemento" à nossa atividade.

A Quinta de Jugais, em Oliveira do Hospital, nasceu há 19 anos com o objetivo de produzir cabazes de Natal. Nunca abandonou o negócio e até alargou o raio de ação: há mais de dez anos que produz doces de frutas e tem presença em 13 mercados. Mariana Campos, porta-voz da Quinta de Jugais, não esconde que o "Natal é por excelência uma época muito forte ao nível de encomendas". E a empresa até teve recrutar mais uma centena de pessoas para dar conta das encomendas.

"Todos os anos, concentrarmos todos os esforços na operação logística exigida na área dos cabazes de Natal. Felizmente, este ano não tem sido exceção e voltámos a reforçar a nossa equipa com mais de 100 pessoas para conseguirmos corresponder ao elevado volume de encomendas que temos tido", diz ao Dinheiro Vivo.

A empresa tem vários cabazes, com produtos variados e, consequentemente, com preços diferentes. Uma das novidades deste ano são os cabazes Jantar de Natal, uma vez que a esmagadora maioria das empresas, devido aos constrangimentos atuais, ficou impedida fazer a tradicional celebração.

A Quinta dos Jugais nota ainda que, apesar da conjuntura económica menos positiva, não sente grandes diferenças no que toca ao número de encomendas. "A verdade é que, num ano que os habituais jantares de Natal das empresas são improváveis de acontecer, a oferta de cabazes de Natal é uma boa alternativa."

Mariana Campos acrescenta ainda que o volume de encomendas não foi afetado. "Na verdade, é de tal forma elevado que planeamos deixar de aceitar encomendas ainda antes de o mês de novembro terminar."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de