Libra

O sabor amargo do Brexit nos restaurantes de Gordon Ramsay

Gordon Ramsay
Brexit: O novo pesadelo de Gordon Ramsay fê-lo contratar uma equipa para negociar a importação de alimentos, com a descida da libra face ao dólar e ao euro.

O novo pesadelo de Gordon Ramsay: a libra desvalorizou e o preços dos alimentos estão mais caros.

Nem tudo é tão saboroso quanto se pensa que é. Pelo menos é o que dá a entender o chefe Gordon Ramsay, que contratou uma equipa pós Brexit para negociar o valor dos produtos importados, que sofreram um aumento com a desvalorização da libra.

A equipa contratada irá mitigar o impacto que a inflação da libra terá para os 31 restaurantes do Gordon Ramsay Holding, que conta com 16 estrelas Michelin. Um efeito que hoje se voltou a sentir, com a libra a desvalorizar após Theresa May não ter conseguido a maioria nas eleições antecipadas do Reino Unido.

O objetivo é evitar mudanças nos preços que se praticam nos restaurantes e nos quais os clientes estão habituados a pagar. Um dos maiores desafios da desvalorização da libra face ao euro (queda de 1,2%) e ao dólar (queda de 13%) é no abastecimento de vinho, avança um porta-voz do Gordon Ramsay Group.

A organização de segurança alimentar British Retail Consortium alertou para a subida de 1% nos bens alimentares nos últimos 12 meses – o aumento mais repentino em três anos. Separadamente, a empresa especialista no comportamento do consumidor, Kantar Worldpanel informou que o preço dos produtos diários aumentaram 2,3%.

A negociação dos produtos importados não é, no entanto, a única preocupação do grupo hoteleiro, que se mostra preocupado com o recrutamento de pessoal e com a instabilidade da economia.

Contrariando as estatísticas e apesar das pressões extra, o grupo conseguiu recuperar o lucro pela primeira vez em dois anos, graças à reestruturação e à expansão internacional. Na semana passada, a empresa registou ganhos de 700 mil libras (cerca de 851 mil euros), depois de uma perda de dois milhões de libras. As vendas subiram 2,3% para 51,9 milhões de libras. Afinal, nem tudo é tão amargo quanto parece.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
O sabor amargo do Brexit nos restaurantes de Gordon Ramsay