metro

Obras na estação de Metro de Arroios arrancam no verão de 2017

Fotografia: Filipe Amorim/ Global Imagens
Fotografia: Filipe Amorim/ Global Imagens

Na linha Verde voltarão a circular composições com seis carruagens, anunciou hoje o presidente do Metropolitano de Lisboa, Tiago Farias.

As obras na estação de Metro de Arroios, em Lisboa, arrancam no verão de 2017, altura em que na linha Verde voltarão a circular composições com seis carruagens, anunciou hoje o presidente do Metropolitano de Lisboa, Tiago Farias.

“É uma obra complexa que se iniciará no verão de 2017 com a duração prevista de cerca de 16 a 18 meses”, anunciou hoje Tiago Faris, numa conferência de imprensa em Lisboa, acrescentando que, “no momento em que se der início à obra será possível avançar com a utilização de seis carruagens”.

A “obra profunda” na estação de Arroios irá passar “a permitir a utilização em pleno de seis carruagens na Linha Verde [que liga Telheiras ao Cais do Sodré], que é um aspeto fundamental para promover maior oferta na rede global”.

Esta obra, tal como uma outra prevista para a estação do Areeiro, para “alargamento do cais norte”, é “prioritária no orçamento de 2017”.

Em outubro, o ministro do Ambiente (que tutela os Transportes) anunciou no Parlamento que o Governo vai investir 20 milhões de euros nas obras de requalificação de algumas estações do Metropolitano de Lisboa, como Arroios e Areeiro.

“Vinte milhões de euros estarão inscritos no Orçamento do Estado do próximo ano”, disse na altura João Pedro Matos Fernandes aos deputados.

Alem das obras em Arroios e no Areeiro, está ainda prevista a requalificação das estações do Colégio Militar, Cais do Sodré e Olivais.

Além destas obras, o governante adiantou que, em 2017, serão também iniciados os projetos para as obras de expansão da rede do Metro de Lisboa e do Porto, sem especificar quais os trabalhos que serão iniciados.

No caso de Lisboa, um dos projetos é ligar a estação do Rato ao Cais do Sodré.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
2. Os telemóveis desvalorizam até 78% do investimento num ano

Burlas com SMS custam um milhão por ano aos consumidores

Ana Jacinto, secretária-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) antes de uma entrevista, esta manhã nos estúdios TSF.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Ana Jacinto. Hotelaria e restauração precisam de mais de 40 mil trabalhadores

Austin, EUA

Conheça o ranking das cidades mais desejadas pelos millennials em 2020

Obras na estação de Metro de Arroios arrancam no verão de 2017