Telecomunicações

Oi admite negociar capitalização ainda durante a recuperação

Foto: REUTERS/Sergio Moraes
Foto: REUTERS/Sergio Moraes

Operadora revê posição depois de plano de recuperação não ter agradado a obrigacionistas e bancos credores

A Oi decidiu iniciar conversas para uma capitalização da operadora brasileira, ainda no âmbito do plano de recuperação judicial da empresa a braços com uma dívida de mais de 65 mil milhões de reais, na qual a portuguesa Pharol é a maior acionista.

“Consideramos que essa é uma conversa possível, desde que o dinheiro seja para a empresa e não para os credores”, disse Marco Schroeder, CEO da Oi, em entrevista à Valor Econômico.

A posição representa um volte face na estratégia até aqui defendida pela companhia, com Schroeder até recentemente a defender que a entrada de novos acionistas na empresa deveria acontecer após a recuperação judicial, pois isso iria tornar ainda mais complexo o processo. Uma mudança que surge no momento em que a companhia está sob pressão, com o governo a admitir uma possível intervenção na Oi depois de o plano de recuperação aprovado pelo conselho de administração da operadora não ter agradado aos credores institucionais, nem aos bancos.

O plano de capitalização é visto por Schroeder como um potencial ponto de união entre credores e acionistas. “Não há hipótese de que os credores e acionistas não consigam chegar a um acordo. Vamos viabilizar o diálogo em busca de uma equação possível que destrave o processo”, diz Schroeder.

Schroeder não avança valores para a capitalização, mas segundo a Valor Econômico, poderá ser entre os 2 e os 3 mil milhões de dólares, montantes que coincidem com os declarados pelos interessados na Oi.

Leia ainda: Credores da Oi propõem-se comprar a empresa

O grupo de credores representado pela Moelis, que se associaram ao milionário egípcio Naguib Sawiris, já tinham manifestado interesse em injetar capital na Oi. Mas o modelo proposto era um pouco diferente, e implicava pagar mais barato pela sua posição na Oi.

Schroeder defende que o dinheiro não seja para os credores e que as ações tenham um preço competitivo, e quanto mais próximo do valor em Bolsa melhor, para atrair interessados. E dependendo do momento de mercado, o CEO não descarta a possibilidade de avançar mesmo sem um compromisso firme de fundos interessados em investir na Oi.

No Governo a possibilidade apresentada por Schroeder foi vista com bons olhos. “Não tem como uma iniciativa dessa ser malvista. A capitalização vai na linha de solução de mercado que esperamos. Mas, para o aumento de capital ser viável, a companhia terá que convencer investidores que estão diante de um projeto bem sucedido”, disse o secretário das Telecomunicações, André Borges, citado pela Valor Econômico.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
António Costa Silva partex

Costa Silva. Um astronauta ao contrário para remexer a fundo no país?

TIAGO PETINGA/LUSA

António Mexia recusou responder ao juiz Carlos Alexandre no caso EDP

Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital,. Foografia: Manuel de Almeida / LUSA

Siza Vieira. Há 46 mil empresas com pedidos de lay-off renovados

Oi admite negociar capitalização ainda durante a recuperação