Oi obtém luz verde dos obrigacionistas para flexibilizar rácios de dívida depois da venda da PT

Bayard Gontijo, CEO da Oi
Bayard Gontijo, CEO da Oi

Os obrigacionistas da Oi aceitaram mudar os rácios de endividamento financeiros da 2015, necessários depois da venda da PT Portugal à Altice.

Ontem, os obrigacionistas voltaram a reunir-se e autorizaram a operadora liderada por Bayard Gontijo a alterar os rácios de endividamento (dívida em função do EBITDA) acima dos quatro vezes atualmente previstos para este ano. É que a Oi fica com a dívida da PT Portugal – a Altice comprou a dona do Meo sem esse encargo de mais de 6 mil milhões de euros – e isso poderá implicar um endividamento de 4,5 vezes o EBITDA ou até seis vezes.

Veja o comunicado aqui

Uma mudança que é válida para este ano. No próximo os rácios voltam ao previsto, sob pena da operadora brasileira ter de reembolsar antecipadamente os empréstimos obrigacionistas.

Os obrigacionistas também aprovaram a reorganização societária que vai levar a operadora brasileira ao Novo Mercado. Quando esta operação de entrada na Bovespa se concretizar – a Oi aguarda ainda um OK da CVM para a permuta de ações aprovada a 8 de setembro – a PT SGPS passará a deter uma participação de 25,6% na Oi.

Com esta assembleia geral, a Oi já obteve as autorizações formais necessárias para a venda da PT Portugal à Altice. O grupo francês pode assim prosseguir com o processo de notificação da operação junto das autoridades regulatórias.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Banco de Portugal

Bancos concederam moratórias a 741 623 empréstimos entre março e junho

Pingo Doce

PD. Sindicato quer impugnar no Tribunal “golpada” no referendo do banco de horas

Hiper Pingo Doce__00266

Sindicato leva banco de horas do Pingo Doce a tribunal

Oi obtém luz verde dos obrigacionistas para flexibilizar rácios de dívida depois da venda da PT