Resultados

Oi volta a afundar prejuízos no terceiro trimestre

Fotografia: REUTERS/Paulo Whitaker
Fotografia: REUTERS/Paulo Whitaker

Apesar de se manter em terreno positivo, a Oi volta a afundar os prejuízos no terceiro trimestre do ano 2018.

No terceiro trimestre de 2018, a Oi voltou a registar perdas. Neste período, os prejuízos atingiram os 1.336 milhões de reais (cerca de 310 milhões de euros), acima dos 1.258 milhões de reais registados no segundo trimestre.

Ainda assim, no conjunto de 2018, a empresa de telecomunicações continua positiva, tendo registado um lucro de 27.949 milhões de reais (cerca de 6,6 mil milhões de euros).

A dívida da Oi estava em 10.976 milhões de reais (cerca de 2,55 mil milhões de euros), no fim de setembro, revelando um aumento face ao mês de junho.

Segundo a empresa, o valor “EBITDA segue em linha com o Plano de Recuperação Judicial”. No terceiro trimestre, o EBITDA de Rotina foi de 1.459 milhões de reais.

A Oi antecipa ainda o início do ciclo de investimentos previsto no Plano de CAPEZ incremental, “alavancando a robustez e capilaridade da sua rede, permitindo a expansão do serviço de banda larga em fibra até à casa do cliente e a expansão da cobertura 4G e 4,5G”, refere em comunicado.

A Oi encontra-se em processo de reforço de capital por entrada de quatro mil milhões de reais. A acionista Pharol ainda não decidiu o que fará, mas admite todos os cenários.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Oi volta a afundar prejuízos no terceiro trimestre