Comércio

OMC atenta às consequências da subida de impostos sobre aço e alumínio

Fotografia: REUTERS/Muyu Xu
Fotografia: REUTERS/Muyu Xu

Na origem da tensão comercial entre as duas principais potências comerciais está o colossal défice comercial dos Estados Unidos com a China.

A Organização Mundial do Comércio (OMC) disse hoje estar a observar com grande atenção e cautela as primeiras consequências da decisão dos Estados Unidos de colocar barreiras aduaneiras ao comércio do aço e alumínio.

Citada pela agência EFE, a OMC mantém-se “expectante” face ao rumo e às proporções das consequências provocadas pela medida dos Estados Unidos.

Por sua vez, o ex-comissário do Comércio da União Europeia, Pascal Lamy, disse que a medida norte-americana é “típica da idade média” e que “será paga pelos consumidores”.

A decisão unilateral, anunciada pelos Estados Unidos no passado dia 08, de impor taxas de 25% às importações de aço e de 10% às de alumínio relançou o espetro de uma guerra comercial.

Esse risco aumentou na semana passada, quando a Casa Branca anunciou que pretende impor tarifas a importações chinesas que podem atingir os 60 mil milhões de dólares anuais, enquanto Pequim ripostou ameaçando as exportações norte-americanas, nomeadamente o setor da fruta.

Washington anunciou, também na semana passada, que vai lançar um processo contra a China junto da OMC, acusando Pequim de “infringir os direitos de propriedade intelectual” das suas empresas.

Na origem da tensão comercial entre as duas principais potências comerciais está o colossal défice comercial dos Estados Unidos com a China (375,2 mil milhões de dólares em 2017, segundo as autoridades chinesas).

Já a 23 de março, o diretor da Organização Mundial do Comércio advertiu que as novas barreiras aduaneiras põem “em perigo a economia mundial”, quando Pequim e Washington mantêm um braço de ferro comercial.

“A desestabilização dos fluxos comerciais vai pôr em perigo a economia mundial num momento em que a recuperação económica, apesar de frágil, é cada vez mais evidente no mundo inteiro”, afirmou, na altura, Roberto Azevedo, numa declaração escrita, sem mencionar qualquer país.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
OMC atenta às consequências da subida de impostos sobre aço e alumínio