Retalho Alimentar

OPA à vista? Acionistas do DIA apoiam aumento de capital proposto pela LetterOne

Fotografia: D.R.
Fotografia: D.R.

A LetterOne propõe um aumento de capital de 500 milhões, após conclusão da OPA lançada à dona do Minipreço em Portugal a 0,67 euros por ação.

Os acionistas do DIA apoiam a proposta de aumento de capital em 500 milhões de euros formulada pelo Grupo LetterOne. A posição foi anunciada no decurso da Assembleia Geral de Acionistas, esta quarta-feira.

Em comunicado, a dona do Minipreço em Portugal, lembra que a LetterOne manifestou o seu compromisso de “exercer o direto de subscrição preferencial correspondente em proporção à percentagem do capital social de que seja titular e assegurar a totalidade do aumento de capital, subscrevendo a parte que não seja subscrita pelos restantes acionistas, ou obter a garantia de uma ou mais entidades financeiras”.

É público que o aumento de capital em 500 milhões de euros, proposto pelo milionário russo Mikhail Fridman, está sujeito a duas condições. A liquidação efetiva prévia da OPA anunciada em fevereiro – a OPA foi lançada à cadeia retalhista a 0,67 euros por ação – e a nomeação de uma maioria de membros do Conselho de Administração propostos pela LetterOne. E, uma vez cumprida a condição acima, alcançar um acordo com os credores que permita uma reestruturação ou refinanciamento da dívida, de modo a garantir a estabilidade financeira.

“O Conselho encontra-se à disposição das partes e continuará a trabalhar com o acionista L1R Invest1 Holdings S.à r.l (subsidiária do Grupo LetterOne), com as entidades financeiras e com os seus respetivos assessores para, com a máxima celeridade possível à luz dos exigentes prazos que enfrenta, cumprir com os requisitos que estejam sob a alçada da Sociedade”, garante a retalhista, acrescentando que irá pronunciar-se sobre a OPA no “momento oportuno”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Imagem DVfinal

Uma ideia para o futuro de Portugal

José Galamba de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Seguradores. (PAULO SPRANGER/Global Imagens)

“Catástrofes mais frequentes vão tornar os seguros mais caros”

(Joao Silva/ Global Imagens)

Transição das rendas antigas acaba. Cem mil famílias vão pagar mais

Outros conteúdos GMG
OPA à vista? Acionistas do DIA apoiam aumento de capital proposto pela LetterOne