OPEP

OPEP: Petróleo barato não teve o efeito positivo esperado

Fotografia: D.R.
Fotografia: D.R.

Quebra no valor do petróleo não cumpriu expectativas dos economistas. Acordo foi cumprido em 86%, salientam países produtores de petróleo

“A baixa contínua do preço do petróleo não gerou o impacto esperado por vários economistas para a economia global”, diz a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) no relatório mensal divulgado esta terça-feira. Também neste documento é adiantado que o acordo assumido entre os vários países foi cumprido em 86%, havendo margem para chegar aos 100%. A próxima reunião decisiva acontece em maio.

Os países exportadores entendem que o efeito da baixa prolongada de preços do ouro negro acabou por se refletir de forma alargada e abrangente apenas no setor do transporte rodoviário. No geral, o impacto geral variou “consideravelmente”, com “alguns países a revelarem níveis de crescimento superiores a outros”.

Como impacto negativo, é, por exemplo, destacada a redução da oferta de crude dos países não-OPEP nos Estados Unidos, Canadá, China e Colômbia.

“Os baixos preços do petróleo tiveram um efeito limitado no PIB global, com diferentes impactos no curto prazo em vários países”. No caso dos Estados Unidos, este efeito, diz a organização, deverá ter levado a uma redução do PIB; ou seja, a economia perdeu valor. Em países como Portugal, os pertencentes à OCDE Europeia, “o efeito da redução dos preços parece ter sido medianamente positivo”.

Não é tudo. Estes valores proporcionaram um recorde de quebra contínua do investimento no setor, que já se prolonga há dois anos – a queda foi de 20%. Desde 1980 que isto não se verificava.

Também há notícias mais animadoras. A redução dos preços do petróleo teve um efeito positivo no crescimento da procura, “embora alguns países tenham experienciado crescimentos maiores do que outros”.

O maior resultado, diz este estudo, verificou-se no consumo de gasolina dos Estados Unidos, que foi apoiado por um quadro fiscal mais favorável, e complementada com melhorias na economia e nas vendas de veículos mais ‘saudáveis’.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
OPEP: Petróleo barato não teve o efeito positivo esperado