Telecom

CEO diz que Oi precisa de acelerar investimentos para recuperar mercado

Fotografia: Nacho Doce/Reuters
Fotografia: Nacho Doce/Reuters

A operadora brasileira de telecomunicações Oi precisa de acelerar os seus investimentos para recuperar as vendas, disse o Presidente da companhia

A operadora brasileira de telecomunicações Oi, detida em 27,49% pela Pharol (antiga PT SGPS), precisa de acelerar os seus investimentos para recuperar as vendas, disse o Presidente da companhia, Marco Schroeder, ao jornal Valor Económico.

“Tivemos um gap [lacuna] no investimento nos últimos dois a três anos frente às concorrentes. Para compensar, teremos que acelerar o capex [investimento] nos próximos trimestres”, disse o executivo ao jornal brasileiro.

Marco Schroeder lembrou que, no segundo trimestre, a operadora investiu 21% da sua receita, mas reconheceu que para compensar a falta de investimentos dos últimos anos a empresa precisa de atingir um investimento anual 7 mil milhões de reais (cerca de 1,8 mil milhões de euros) em quatro anos.

As declarações foram publicadas um dia após a Oi ter apresentado os resultados do primeiro semestre deste ano em que o prejuízo aumentou para 3,5 mil milhões de reais (950 milhões de euros), face ao período homólogo de 2016.

Só no segundo trimestre deste ano, a operadora viu as suas perdas aumentarem em mais de 300%, para 3,3 mil milhões de reais (895 milhões de euros).

Num comunicado ao mercado, a Oi atribui o agravamento dos prejuízos ao “impacto do câmbio no resultado financeiro”, já que “encerrou as suas operações de ‘hedge’ em função da recuperação judicial”.

Não foi a primeira vez que o presidente executivo da empresa falou sobre a necessidade de aumentar os investimentos da Oi.

Em julho, Marco Schroeder já havia afirmado que a empresa ainda precisa de acordar uma capitalização de cerca de 8 mil milhões de reais (2,1 mil milhões de euros) com detentores dos títulos das suas dívidas para fechar o seu plano de recuperação judicial.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
António Costa visita casas em construção. Fotografia: RODRIGO ANTUNES/LUSA

Aviões puxam pelo investimento, bancos e construção amortecem recessão

Entrevista a Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal.
(Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Luís Araújo: “A nossa maior concorrência não é um país. É o medo”

Fotografia: D.R.

Teletrabalho continua obrigatório para grupos de risco e pais sem escola

CEO diz que Oi precisa de acelerar investimentos para recuperar mercado