Os horrores que se vivem na Amazon, segundo o New York Times. E a resposta de Bezos

Jeff Bezos, CEO da Amazon. Fotografia: Direitos Reservados
Este é um excerto de um longo artigo sobre a realidade de trabalho na Amazon que o The New York Times publicou este fim de semana."> Jeff Bezos, CEO da Amazon. Fotografia: Direitos Reservados

"Na Amazon, os trabalhadores são encorajados a destruir as ideias uns dos outros nas reuniões, a trabalharem até tarde (os emails chegam depois da meia noite, seguidos por mensagens a questionar por que ainda não foram respondidos) e a manter padrões que a empresa se gaba de serem irracionalmente elevados". Este é um excerto de um longo artigo sobre a realidade de trabalho na Amazon que o The New York Times publicou este fim de semana.

O jornal norte-americano entrevistou mais de 100 antigos e atuais trabalhadores da retalhista online e garante que “a empresa está a experimentar até onde pode pressionar os trabalhadores de colarinho branco para que eles alcancem as suas ambições”.

“Os falhados vão-se embora ou são despedidos nas dispensas anuais de trabalhadores – um Darwinismo propositado, disse um antigo diretor de recursos humanos da Amazon. Alguns trabalhadores que sofreram de cancro, abortos e outras crises pessoais disseram que foram avaliados injustamente ou eliminados em vez de terem tempo para recuperar”, escreve ainda o jornal.

Entretanto, o CEO da empresa que emprega 180 mil trabalhadores, Jess Bezos, reagiu ao artigo do NYT. “O artigo não descreve a Amazon que eu conheço ou os Amazonianos preocupados com quem trabalho todos os dias”, disse o responsável, num comunicado interno a que o GeekWire teve acesso.

Bezos reconhece, ainda assim, que as histórias do NYT relatam “práticas de gestão chocantemente insensíveis” e pede aos trabalhadores que, se tiverem conhecimento de histórias semelhantes, as reportem aos recursos humanos ou diretamente a si. “Mesmo que seja raro ou um caso isolado, a nossa tolerância para tal falta de empatia tem de ser zero”, escreveu.

O CEO conclui dizendo que acredita que “qualquer pessoa que trabalhasse numa empresa que fosse realmente como a descrita no NYT seria louca se ficasse”, mas, salienta, “espero que vocês não reconheçam essa empresa”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

CGD perdeu 1200 milhões em empréstimos de risco

Miguel Setas, presidente da EDP Brasil

EDP Brasil quer duplicar presença no país até 2020

Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado Adjunto e das Finanças. Fotografia: Jorge Amaral/Global Imagens

Portugal não vai concorrer a vaga de topo no BCE, nem mexe na previsão do PIB

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Os horrores que se vivem na Amazon, segundo o New York Times. E a resposta de Bezos