publicidade

Outdoor Lisboa. AdC vai ter de se pronunciar sobre concurso

Foto: REUTERS/Rafael Marchante
Foto: REUTERS/Rafael Marchante Pessoas, Rossio, Lisboa, Portugal

Autoridade da Concorrência poderá determinar remédios para o concurso de publicidade exterior ganho pela JC Decaux por 15 anos

A Autoridade da Concorrência (AdC) decidiu ontem que a concessão para a publicidade exterior em Lisboa configura uma operação de concentração e, por esta razão, está sujeita a autorização prévia do regulador, anunciou a Associação Portuguesa de Anunciantes (APAN).

A decisão do regulador resulta de uma denúncia que a APAN e a empresa de publicidade exterior MOP (que viu as suas propostas terem sido excluídas do concurso) apresentaram no verão passado, tendo aberto um processo de investigação à operação em setembro passado, tal como avançou o Dinheiro Vivo.

“A APAN alertou repetidas vezes a CML acerca dos problemas subjacentes ao modelo escolhido. Não é salutar que entidades públicas contribuam para a formação de monopólios privados. Estamos confiantes que a AdC fará agora o seu trabalho, acautelando as preocupações das empresas, dos munícipes de Lisboa e dos consumidores portugueses. Gastaram-se mais de dois anos na elaboração deste concurso, esperamos que sob a orientação da AdC se possa chegar a um modelo de concurso que salvaguarde o bem-estar do consumidor”, diz Manuela Botelho, secretária-geral da APAN, citada em comunicado.

O associação de anunciantes tinha alertado a AdC para o risco da publicidade exterior em Lisboa se tornar um monopólio, depois da JC Decaux ter ganho o concurso em junho, e para o facto de a concessão de 15 anos atribuída pela Câmara Municipal de Lisboa (CML) dever ser sujeita a análise prévia do regulador.

“A APAN considera que o modelo “winner takes it all” adotado pela CML cria um monopolista com todas as condições para prejudicar o mercado, reduzindo a oferta de posições e aumentando os preços. Estes efeitos acabarão por ser repercutidos nos consumidores”, diz a APAN.

A JC Decaux terá agora que notificar à AdC a concessão atribuída pela CML e sujeitar-se à análise do regulador, no âmbito de um processo de controlo de concentração. A empresa de publicidade exterior e a autarquia de Lisboa não poderão dar início à concessão antes de obtida uma decisão positiva da AdC, a qual poderá aprovar, proibir ou sujeitar a condições a concessão.

A APAN irá participar no processo como terceira interessada.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Vaz, CEO da Vodafone Portugal  Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Mário Vaz. “Havendo frequências, em julho teríamos cidades 5G”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), durante a cerimónia militar do Instituto Pupilos do Exército (IPE), inserido nas comemorações do 108.º aniversário da instituição, em Lisboa, 23 de maio de 2019.  ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: “Quem não for votar, depois não venha dizer que se arrepende”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
Outdoor Lisboa. AdC vai ter de se pronunciar sobre concurso