publicidade

Outdoor Lisboa. Resolução fundamentada terá “pesadas consequências”

Fotografia: DR
Fotografia: DR

A DreamMedia já reagiu à decisão da CML de levar a reunião uma proposta de resolução fundamentada para evitar efeitos da providência cautelar

A DreamMedia já reagiu à decisão da Câmara Municipal de Lisboa (CML) de levar na próxima quinta-feira à votação uma resolução fundamentada para suspender os efeitos da providência cautelar interposta pela empresa de que quer impugnar a decisão de atribuir por 15 anos a concessão da publicidade outdoor à JC Decaux. Usar este mecanismo terá “pesadas consequências” para a autarquia.

“A autarquia optou por usar um mecanismo legal totalmente desadequado apenas para forçar a assinatura do contrato, o que demonstra que o interesse do executivo não é o interesse público, mas o interesse financeiro da proposta”, diz Ricardo Bastos, CEO do Grupo DreamMedia, citado em comunicado.

“Os motivos que a autarquia evoca para usar um mecanismo tão extremo são a diminuição dos suportes e melhoria do design dos equipamentos existentes na cidade, equipamentos estes que durante mais de 20 anos conviveram com a cidade”, refere. “Agora não pode o município aguardar cinco meses por uma decisão sobre a providência cautelar? Será assim tão urgente entregar a adjudicação à JCDecaux?, questiona o responsável.

A DreamMedia foi um dos concorrentes ao concurso de outdoor lançada pela CML, tendo contestado a decisão da autarquia de atribuir a concessão à JCDecaux, situação que levou a empresa a apresentar uma providência cautelar a 22 de junho.

“Usando a resolução fundamentada, a autarquia evoca circunstâncias extraordinárias de urgência quando o concurso espera há três anos para se concretizar, e quando a suspensão da assinatura do contrato, que solicitámos com a providência cautelar, impede o início da nova concessão mas não prejudica o cidadão, uma vez que os contratos anteriores existentes com a JCDecaux continuam a vigorar até à assinatura do novo contrato – o mobiliário urbano da cidade mantém-se, e a autarquia tem possibilidade de corrigir um erro grave, evitando pagar uma indemnização milionária aos concorrentes que levaram o caso à Justiça, e irão seguramente até às últimas consequências”, diz Ricardo Basto. Esta é uma “decisão errada, ilegal, que trará pesadas consequências à Autarquia”.

Para a DreamMedia a adjudicação do lote 3 (que compreende os lotes 1 e 2 do concurso) à JC Decaux “demonstra um claro abuso de poder da autarquia”, lembrando que não apenas a empresa de publicidade exterior a contestar esta decisão. “Todos os restantes concorrentes a contestaram [MOP], o CDS e o PSD ambos contestaram, e mesmo assim o município adjudicou”, reforça Ricardo Bastos.

“Esse abuso de poder tornou-se mais evidente com a autarquia a recusar a proposta do CDS de solicitar um perecer externo para avaliar a proposta da empresa francesa, o que nos parece agora muito claro com a tentativa de anulação da providência cautelar com um mecanismo totalmente desadequado à situação”.

A empresa de publicidade exterior contesta ainda a apreciação jurídica que sustentou a deliberação da autarquia. Esta “teve por base um parecer jurídico da sociedade de advogados Sérvulo & Associados, que é muito claro: a assinatura eletrónica qualificada é obrigatória; a JC Decaux não cumpriu essa obrigação; esse incumprimento levaria à exclusão da proposta.”

“Como a exclusão seria óbvia, criaram uma habilidosa tese em que pretendem considerar como ‘formalidade não essencial’ uma obrigação imposta pela Lei”, considera Ricardo Basto.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Jorge Braga de Macedo. Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens

Braga de Macedo. “Vivemos uma situação de anestesia, isto é sol de pouca dura”

Ramon  O´Callaghan, reitor da Porto Busines School. Fotografia: Pedro Granadeiro / Global Imagens

Porto Business School. “Há uma guerra pelo talento em Portugal”

road-3319581_1920 (1)

Renda de casa nem sempre reduz o IRS

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Outdoor Lisboa. Resolução fundamentada terá “pesadas consequências”