Coronavírus

Ovar cria grupo de apoio e esclarecimento ao tecido empresarial local

Ovar, covid-19
Um agente da GNR faz o controlo de entradas e saídas na área geográfica de Ovar após ter sido declarado o estado de calamidade pública e decretada a quarentena abrangendo toda a população de Ovar devido ao surto de coronavírus (Covid-19). ESTELA SILVA/LUSA

Empresários e profissionais de Ovar criaram um grupo descrito como de "apoio e esclarecimento" à economia local.

Empresários e profissionais de Ovar criaram um grupo descrito como de “apoio e esclarecimento” à economia local, dada a situação de calamidade pública vivida nesse concelho, sujeito a um cerco sanitário que encerrou toda a atividade não essencial.

A iniciativa partiu de Henrique Araújo, ex-adjunto de Salvador Malheiro na Câmara Municipal de Ovar, no distrito de Aveiro, e antigo vice-presidente do Esmoriz Ginásio Clube.

Esse empresário começou por lançar um apelo na rede social Facebook às empresas que precisassem de ajuda, “independentemente da sua área de negócio e da dimensão do mesmo”, e solicitando a colaboração de “voluntários com competência técnica como juristas, advogados, contabilistas, gestores, administrativos, etc.”.

Foi assim constituído o GACEMO – Grupo de Apoio a Comerciantes e Empresários do Município de Ovar, cuja comissão de gestão integra oito elementos devidamente identificados, aos quais se junta ainda um coordenador técnico e uma administrativa.

Numa carta aberta à comunidade, Henrique Araújo explica o cenário atual da economia local: “Estou informado pessoalmente de que existem empresas que não vão abrir mais as suas portas. Outras lutam hoje com circunstâncias de falta de mobilidade apenas, o que as leva a alugarem armazéns fora do município, só para poderem guardar a mercadoria que ficou retida no Porto de Leixões e [cuja retenção] custa uma fortuna diariamente. [Há ainda] Encomendas que não foram despachadas para os clientes, com prejuízos de milhares e milhares de euros”.

Agradecendo todos os contactos que permitiram a criação do GACEMO, Henrique Araújo diz estar agora reunida “uma vasta equipa de voluntários de várias áreas, para prestar apoios e esclarecimentos aos agentes da economia municipal” e realça: “Todos devemos contribuir, dentro das nossas possibilidades, para ultrapassarmos este período catastrófico”.

O objetivo atual é disponibilizar através da Internet – pelo menos enquanto durar em Ovar a quarentena geográfica que impõe isolamento domiciliário – os necessários esclarecimentos sobre “toda e qualquer matéria no âmbito do Ministério da Economia, bem como da Segurança Social”, no contexto específico da pandemia da covid-19.

Salvador Malheiro, presidente da Câmara Municipal de Ovar, já comentou a iniciativa e, após uma primeira “reunião muito profícua” com alguns dos empresários e profissionais nela envolvidos, afirma que o grupo representa “todo o tecido empresarial do concelho”.

Propondo-se já “olhar para o futuro”, o autarca acrescenta: “[Procurámos] Mostrar a nossa sensibilidade para com os empresários e [ver] também a dos empresários para com a Câmara, que está a colocar a saúde pública em primeiro lugar, mas tentando já pensar no ‘day after’ [dia seguinte]”.

O novo coronavírus responsável pela pandemia de covid-19 foi detetado em dezembro na China e já infetou mais de 400.000 pessoas em todo o mundo, das quais cerca de 18.000 morreram.

O continente europeu é atualmente o que regista maior número de novos casos, sendo Itália o país com mais vítimas mortais em todo o mundo. Contabiliza 6.820 mortos em 69.176 diagnósticos positivos e, desses infetados, mais de 7.000 já foram dados como curados pelas autoridades.

Em Portugal, na terça-feira havia 33 mortes, mais 10 do que na véspera, e 2.362 infeções confirmadas, segundo o balanço feito pela Direção-Geral da Saúde, que regista 302 novos casos em relação a segunda-feira (mais 14,7%).

Dos infetados, 203 estão internados, 48 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 22 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Além disso, o Governo declarou dia 17 o estado de calamidade pública para o concelho de Ovar.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus turismo turistas

ISEG. Recessão em Portugal pode chegar a 8% este ano

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. JOÃO RELVAS/LUSA

Pedidos de lay-off apresentados por 33.366 empresas

coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Rendimento básico incondicional? “Esperamos não ter de chegar a esse ponto”

Ovar cria grupo de apoio e esclarecimento ao tecido empresarial local